domingo, 17 de setembro de 2017

PJ NE3 se encontra no 14º ERPJ, em Jequié

Foi realizado nesse fim de semana, de 08 a 10 de setembro, o 14º Encontro Regional da Pastoral da Juventude, na Diocese de Jequié, no Centro de Treinamento de Líderes (CTL).  Foram mais de 80 participantes de todo Regional Nordeste 3 – Bahia e Sergipe. A temática do encontro foi: Juventudes e Espiritualidade – Com a Mãe Negra Aparecida, em defesa da vida.
O encontro se iniciou na sexta com a mística de abertura, organizada pela equipe própria: momento forte com a imagem de Nossa Senhora Aparecida em destaque, sendo conduzida a até o espaço da plenária pela coordenação regional da PJ. Foi apresentada, em sintonia com a PJ Nacional, a “flor das prioridades” da ANPJ, no Crato, que devem ser seguidas pela PJ em todas as Dioceses do Brasil. Em seguida, a coordenação diocesana da PJ de Jequié pode dar oficialmente as boas vindas a todos os pjoteiros vindos de outras Dioceses. Logo após houve a mesa de abertura do ERPJ, com o Franco (Pastoral Carcerária), Claúdia (Movimento de Mulheres), Adriana (CEBI) e Samantha Gadelha (Secretaria Regional da PJ). Em seguida, a Adriana Fernandes começou a assessoria do encontro, nesse primeiro momento, ouvindo também algumas questões juntos aos delegados e delegadas.
A imagem pode conter: flor
No sábado de manhã, os trabalhos de iniciaram com a mística, conduzida pela Região Pastoral 2 (Sergipe). Também nesse turno, a Adriana continuou a apresentação sobre a temática do encontro, trazendo elementos de uma espiritualidade libertadora. Encerrando a manhã, foram dadas as orientações para os trabalhos nos GTs, pelo turno da tarde. Foram 3 os grupos: Mulheres Negras, conduzido por Claúdia do Movimento de Mulheres de Jequié; Mulheres Encarceradas, conduzido por Franco da Pastoral Carcerária de Jequié; e Mãe Terra, conduzido por Luziana, do projeto Calanguinho. No final da tarde, as/os pjoteiras/os partilharam as experiências vividas em cada GT.
Na noite, foi rezado o Ofício Divino da Juventude, onde foram apresentados os nomes dos indicados aos serviços regionais, e que disseram seu sim: para o serviço da assessoria, Fernando Andrade, da Diocese de Jequié; para o serviço da secretaria regional, Nicole Cerqueira, também da Diocese de Jequié. Em seguida, foi realizada a noite cultural, com a animação da Banda Weba, que também animou todo o encontro com músicas da caminhada da Pastoral da Juventude.
O domingo de manhã se iniciou com a Santa Missa, com a presença dos padres Leandro, referencial pela PJ na Diocese de Jequié e Paulo Marcos responsável pelo Setor Juventude na Diocese de Jequié. Voltando à plenária, o Tiago Medeiros, coordenador nacional pelo NE3, fez alguns repasses da PJ Nacional, como questões da ANPJ que aconteceuno Crato (CE) e do ENP que está chegando e será em janeiro, em Rio Branco (AC). Em seguida foi momento das Regiões Pastorais se reunirem, para entre outras coisas, indicar nomes para o serviço da coordenação nacional, representando o Nordeste 3, e também nomes para a assessoria regional. Os nomes foram apresentados à plenária e serão acompanhados pela CR e CRA. Em seguida, foi escolhido o local e data do 15º ERPJ, que será na Diocese de Eunápolis, entre os dias 07 e 09 de setembro de 2018.
A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo
Finalizando o ERPJ, foi o momento de agradecimentos, com muita mística. Primeiro Tiago e Samantha agradeceram aos assessores regionais, Ivan Santos, Selma de Oliveira que estavam presentes, e os demais que não puderam estar presentes. Logo após, foi o momento da PJ Regional agradecer o serviço e a vida doada de Samantha e Tiago, através de Ivan e Selma. Por fim, foi a hora de acolher na coordenação regional da PJ a nova Secretária Regional para o biênio, a Nicole Cerqueira e também o novo assessor, Fernando Andrade, que espera pelos demais que também comporão a nova equipe de assessores. A plenária ouviu atentamente a ambos, e rezou junta a Mística de Envio, para então poder voltar para a missão nas Dioceses.
A imagem pode conter: listras


Com informações de Erik Nascimento, pela equipe de Coordenação Regional da PJ NE3

quarta-feira, 13 de setembro de 2017

Missão Jovem em Santanópolis: Juventude e toda comunidade em saída missionária

Aconteceu nesse fim de semana, de 07 a 10 de setembro a Missão Jovem da Arquidiocese de Feira de Santana, na Paróquia Senhor do Bonfim, em Santanópolis. A experiência missionária, que está em consonância com o projeto das Santas Missões Populares, foi pensada também para celebrar e preparar os 25 anos do Dia Nacional da Juventude e da Pastoral da Juventude nesta Arquidiocese. Participaram do evento, jovens missionários da Pastoral da Juventude e também da Comunidade Shalon e toda comunidade local.

A abertura da Missão Jovem foi realizada na quinta (07) pela tarde, com a Santa Missa, onde os missionários foram apresentados e souberam as comunidades onde iriam ficar. O pároco, padre Claúdio Passos, presidiu a celebração, e nos recordou que é necessário ao missionário avançar para águas mais profundas, ir ao encontro dos irmãos mais afastados. Na noite os missionários foram apresentados junto a cada comunidade de base.
A imagem pode conter: texto


A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sentadas e área interna

Nos dias 08 e 09 aconteceram as visitas às casas, durante a manhã e tarde. Momento da “saída missionária” como nos diz o Papa Francisco. E nas noites de sexta e sábado as comunidades celebraram a vida, em Celebrações Eucarísticas ou da Palavra e com encontros dos grupos de jovens ou outros grupos ou pastorais.
A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e área interna
A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, montanha, céu, atividades ao ar livre e natureza A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, selfie, criança, close-up e área interna A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, criança
A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livreA imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, árvore, céu, listras, atividades ao ar livre e natureza
A imagem pode conter: 5 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé A imagem pode conter: 8 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé, céu, nuvem, atividades ao ar livre e natureza
A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo
A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas sorrindo, área interna A imagem pode conter: 6 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé e atividades ao ar livre
A imagem pode conter: 7 pessoas, pessoas sorrindo, pessoas em pé A imagem pode conter: 10 pessoas, pessoas sorrindo
A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e área interna

No domingo (10) foi realizada a Missa de Envio, com a presença dos missionários e de todas as comunidades da Paróquia Senhor do Bonfim.  A Missa foi presidida pelo padre João Falcão, vigário da Forania São João. Este recordou a realidade atual do país e que a barca que é a Igreja precisa de mais pessoas. Para essas realidades, é necessária a prática missionária dos católicos tanto dentro como fora dos espaços eclesiais. Por fim, cada missionário foi enviado de volta às suas comunidades e paróquias de origem, motivados por essa essas belas experiências  vividas. Fica o agradecimento a todos que contribuíram com essa Missão Jovem, tanto a equipe local motivada por Padre Claúdio, Cristiam e demais jovens, como à Equipe Arquidiocesana da PJ, com seus coordenadores e assessoras, e também a todos os padre que puderam se fazer presentes.

A imagem pode conter: 1 pessoa, em pé e área interna A imagem pode conter: 2 pessoas, área interna

A imagem pode conter: 2 pessoas, pessoas em pé e multidão A imagem pode conter: 3 pessoas, pessoas em pé

Com informações de Erik Nascimento, pela coordenação da Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Feira de Santana e da Missão Jovem

domingo, 3 de setembro de 2017

Grito dos Excluídos: “por direito e democracia, a luta é todo dia!”



No dia 7 de Setembro, data na qual oficialmente se comemora a independência política do Brasil, será realizado em todo país o 23º Grito dos Excluídos que, este ano, tem como lema “Por direitos e Democracia, a luta é todo dia” e tema “Vida em primeiro lugar”, pelos quais, segundo a Coordenação Nacional, quer chamar a atenção da sociedade para a urgência da organização e luta popular frente à conjuntura em que o país vive hoje.
Em coletiva de imprensa, realizada ontem (31/08) na sede do Regional Sul 1 da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), em São Paulo, o bispo emérito de Blumenau (SC), dom Angélico Sândalo Bernardino disse que o Grito acontece em um momento em que o país vive uma crise ética na política por parte dos governantes e autoridades.
O bispo disse que os parlamentares estão de costas para o povo, não ouvem os gritos da população, sobretudo dos segmentos que estão à margem da sociedade.
O bispo, representante da Comissão Episcopal pastoral para a Ação social Transformadora da CNBB, afirmou que é necessário transparência na administração pública e punição aos corruptos. “O povo precisa voltar a ocupar as ruas de forma consciente e organizada para conquistar, defender e garantir seus direitos”, disse. 
A representante da Coordenação Nacional do Grito dos Excluídos, Karina Pereira da Silva, lembrou que O Grito dos Excluídos vem se afirmando, a cada ano, como um processo de construção coletiva, de forma descentralizada. Ela disse que o ato tem seu ponto alto na semana da Pátria e no dia 7 de Setembro, mas que é precedido de ações em preparação e organização que vão desde seminários, palestras, rodas de conversa, audiências públicas, vigílias, celebrações, concursos de redação nas escolas.
Direitos ameaçados
Segundo o bispo de Ipameri (GO), dom Guilherme Antônio Werlang, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Ação Social Transformadora da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil: “Vivemos tempos difíceis. Os direitos e os avanços democráticos conquistados nas últimas décadas, frutos de mobilizações e lutas, estão ameaçados. O ajuste fiscal, as reformas trabalhista e da previdência estão retirando direitos dos trabalhadores para favorecer aos interesses do mercado. O próprio sistema democrático está em crise, distante da realidade vivida pela população”.
Realizado no dia 7 de setembro, o Grito dos/as Excluídos/as tem especial importância para a Igreja que, neste ano de 2017, também sugere as comunidades que na mesma data acrescente dois elementos importantes da espiritualidade cristã para acompanhar a reflexão: a oração e o jejum. Na última reunião do Conselho Permanente, a CNBB se dirigiu direta e fraternalmente a todas as comunidades convidando a todos para que “diante do grave momento vivido por nosso país, dirijamos nossa oração a Deus, pedindo a bênção da paz para o Brasil”.
A iniciativa do Grito dos/as Excluídos/as brotou do seio da Igreja, em 1995, para aprofundar o tema da Campanha da Fraternidade daquele ano, que tinha como lema “Eras tu, Senhor”, e para responder aos desafios levantados na 2ª Semana Social Brasileira, realizada em 1994, cujo tema era “Brasil, alternativas e protagonistas”.

Na Arquidiocese de Feira de Santana

O Grito dos Excluídos terá sua culminância em Feira de Santana logo após os desfiles cívicos de 7 de setembro. A concentração se inicia às 7:00 em frente aos Correios da Avenida Pres. Dutra. A articulação da atividade vem sendo feita pela Cáritas Arquidiocesana, juntamente com Pastorais e Movimentos Sociais. 
Fonte: CNBB