terça-feira, 26 de maio de 2015

PJ lança logomarca para a 3º Conferência Nacional de Juventude

“As várias formas de mudar o Brasil”. Esse lema já ecoa em todo país na realização das etapas municipais e estaduais, que vão desaguar, no final do ano, na realização da 3ª Conferência Nacional. A Pastoral da Juventude, que integra a coordenação nacional da atividade, vai motivar e subsidiar as bases com materiais, informações e incentivo, sabendo do protagonismo dos grupos de base e lideranças em todo Brasil. Conheça a logomarca oficial dessa campanha de participação da Pastoral da Juventude. A arte é do ex-Secretário Nacional, Thiesco Crisóstomo, e foi pensada também pelo projeto Teias da Comunicação.
Mapa: A Logomarca traz o mapa do Brasil, pois nosso campo de atuação é em todo nosso país. Ele tem, em suas linhas, as principais palavras de ordem que pautam a evangelização da juventude para a PJ. No seu interior, vemos imagens de n
PJna3ConfJuv - Logomarca FINAL
ossa ação no dia a dia, construindo a Civilização do Amor.

Selo: O selo foi estilizado com o objetivo de ser a grande marca visual de nossa participação. Ele é estilizado e jovial. Traz as características de um carimbo, porque estamos mesmo carimbando nossa participação, a partir de nossas intervenções nos espaços juvenis de diálogo, nesta 3ª Conferencia. Ele tem como frase principal a hashtag #PJna3ConfJuv, para ajudar a turma a reconhecer e a multiplicar por todo o Brasil nosso jeito de construir uma nova Civilização.
Frase: Nosso mote é “Tamo junto pra mudar o Brasil”. Queremos provocar os e as jovens e assessores da Pastoral da Juventude de todo país a construir essa grande ciranda em prol de um novo Brasil, ainda mais democrático, solidário e unido! Chegou a hora de por em pratica a comunitariedade global que temos construído nos nossos locais, nos Grupos de Jovens e nas nossas comunidades. É hora de mostrar para o Brasil que o futuro só pode ser construído com os valores da igualdade e justiça, se caminharmos juntos e juntas, sem distinção nem preconceitos. Queremos ser a força que fará o Brasil avançar ainda mais!
Tamo junto pra mudar o Brasil! #PJna3ConfJuv
Fonte: Pastoral da Juventude Nacional

segunda-feira, 25 de maio de 2015

Oscar Romero é beatificado e Francisco manda carta


Povo Salvadorenho proclama Romero santo há anos.

Mais de 200 mil pessoas presenciaram na capital de El Salvador, nesse sábado (23), a beatificação de D. Óscar Romero. Os fiéis, que há anos já o proclamam “Santo dos Pobres”, rezaram, mais uma vez, a vida de um mártir. 
Vários brasileiros e brasileiras marcaram presença na cerimônia. Padre Mirim, que vive em São Félix do Araguaia, próximo a outro bispo expoente da Teologia da Libertação, Pedro Casáldaliga, esteve em solo Salvadorenho e disse ter ficado emocionado com o clima de fé e esperança.
Jovens de todo país também estiveram em sintonia com a celebração. Em 2013, na Jornada Mundial da Juventude no Rio de Janeiro, quando pejoteiros e pejoteiras entregaram a bandeira da Pastoral da Juventude para o Papa Francisco, um painel de 10 metros de altura com a foto de D. Óscar Romero foi mostrado para o Papa. Francisco sorriu e fez um gesto positivo ao ver o ícone. Hoje, quase dois anos após o encontro, Romero é declarado beato pela Igreja e deixa aberto o caminho para sua canonização oficial.
Edgar Mansur, que à época presenciou a cena, lembra que ele e os amigos pediram a canonização do mártir. Essa voz, somada aos milhões de fiéis latino-americanos, foi ouvida.
PAPA ENVIA CARTA
Francisco enviou carta ao Arcebispo de San Salvador, D. José Luis Escobar Alas, Presidente da Conferência Episcopal de El Salvador, por ocasião da beatificação de D. Óscar Romero.
O Papa pediu que “a semente do martírio se enraíze pelos verdadeiros caminhos dos filhos e filhas desta Nação que orgulhosamente tem o nome do divino Salvador do mundo”. O texto ainda reconhece o martírio de Romero, que, nas palavras de Francisco, “deu testemunho da fé com a sua vida entregue até o fim”.
VIDA E OBRA
Dom Romero nasceu em 15 de agosto de 1917, em Ciudad Barrios, em El Salvador. Foi para o seminário aos 13 anos. Concluiu o curso de Teologia em Roma, quando tinha 20 anos. Sua ordenação sacerdotal aconteceu em 1943.
De volta ao seu país, o então pároco já demonstrava os sinais da caridade e preferência pelos mais necessitados. Fazia parte de sua rotina as visitas aos doentes, as ajudas aos pobres que se dirigiam à casa paroquial pedindo auxílio, as aulas de religião nas escolas e a atuação como capelão do presídio.
Assim como no Brasil e em outros países latino-americanos, El Salvador enfrentava, na década de 1970, um regime ditatorial. Neste contexto, em 1977, Romero foi nomeado arcebispo do país, dois anos antes do golpe militar que deu origem à guerra civil que assolou El Salvador por mais de uma década e fez milhares de vítimas.
O arcebispo denunciava a injustiça e a miséria na região. Durante os conflitos entre grupos revolucionários e militares, ele criticava a atuação do governo, as injustiças e as interferências estrangeiras.
EQUIPE NACIONAL DO TEIAS DA COMUNICAÇÃO

*Informações da biografia: site da CNBB

terça-feira, 19 de maio de 2015

Nossa luta contra a violência e o extermínio da juventude continua!

Cartaz_Campanha
“O meu desejo é a vida do meu povo” (Ester 5,7)
Em 2008, a 15ª Assembleia Nacional da Pastoral da Juventude do Brasil – ANPJB, optou pelo fim da organização da PJB, e acertou uma pauta de luta comum entre as quatro Pastorais da Juventude (PJ, PJE, PJMP e PJR), que seria contra uma série de fatores que marginalizam os e as jovens da cidade e do campo, das periferias, de uma massificação dos meios de comunicação social contra a juventude, não compreendendo o seu grito. Nesse contexto nasceu então, em 2009, a Campanha Nacional Contra a Violência e o Extermínio de Jovens, prevista para durar três anos (de 2009 a 2011).
Surgiram muitas iniciativas Brasil afora, como a participação no Fórum Mundial Social
em Porto Alegre, que reuniu mais de mil pessoas para pensar a realidade da juventude. A campanha ajudou a despertar o programa governamental “Juventude Viva” e a criação da CPI sobre o extermínio de jovens, o engajamento de vários companheiros e companheiras nos conselhos de juventude (municipais, estaduais e no CONJUVE) e em diversas conferências; a intensificar a luta pela aprovação do Estatuto da Juventude, contra os autos de resistência, contra os agrotóxicos e a buscarmos uma alimentação pautada na agroecologia popular; a nos empenharmos na discussão sobre a redução da maioridade penal, nos posicionando contrários a mais uma visão que pune e encara nossos jovens como um problema a ser isolado nas masmorras da carceragem.
Reunidas e reunidos em Guararema-SP, de 15 a 17 de maio de 2015, convocados pela
Comissão Episcopal para a Juventude (CEPJ) da CNBB, junto com Dom Vilsom Basso,
presidente da CEPJ, e Padre Antonio Ramos Prado, assessor da CEPJ, representantes das Coordenações Nacionais de Jovens e Comissões de Assessores/as de nossas Pastorais, partilhamos esse caminho e reafirmamos nossa luta pela Vida da Juventude.
Essa Campanha desenvolveu em nossas pastorais vários processos e compromissos.
Hoje, com essa carta, anunciamos o seu término, porém a pauta da Campanha continua em nossas Pastorais como uma grande bandeira de luta. As ações e reflexões acumuladas ao longo desses anos nos impulsionaram a tomar essa iniciativa, não apenas como uma campanha pontual, mas a incorporar à nossa prática cotidiana de defesa da vida e dos direitos das juventudes, tornando parte integrante e fundamental de nosso processo de evangelização e identidade cristã.
Convocamos os grupos de base, jovens e assessores/as, a seguirem firmes com essa
bandeira de luta, contra a violência e o extermínio de jovens. Também, motivados/as pelo projeto ROTA 300, desenvolveremos coletivamente novos processos de reflexão em defesa da vida da juventude, a partir da dimensão integral da ecologia.

Guararema/SP, 17 de maio de 2015
Pastoral da Juventude
Pastoral da Juventude Estudantil
Pastoral da Juventude do Meio Popular
Pastoral da Juventude Rural

quarta-feira, 13 de maio de 2015

Pastoral Afro diz que abolição da escravatura é “obra inacabada”

A Pastoral Afro-Brasileira divulgou uma mensagem por ocasião dos 127 anos da abolição da escravatura no Brasil. Ao reconhecer que o acontecimento foi marcante para o país, o texto afirma que é necessário um complemento, "pois a abolição da escravatura é uma obra inconclusa, devido às precárias condições de vida da população negra". A Pastoral posiciona-se ao lado daqueles que são marginalizados, renova a solidariedade e indica a adoção de políticas publicas e ações afirmativas " em prol da melhoria das condições de vida da população Afro-brasileira".
Leia na íntegra:
 MENSAGEM DA PASTORAL AFRO-BRASILEIRA POR OCASIÃO DA MEMÓRIA DA ABOLIÇÃO DA ESCRAVATURA

O calendário assinala, neste dia 13 de maio, os 127 anos da Assinatura da Lei Áurea que declarou extinta legalmente qualquer forma de trabalho escravo. Foi um fato marcante para o Brasil, mas que exige um complemento, pois a abolição da escravatura é uma obra inconclusa, devido às precárias condições de vida da população negra.  A lembrança desta data traz para a nação brasileira a oportunidade de renovar o compromisso de solidariedade para com a população Afro-brasileira, majoritariamente vivendo em condições de pobreza e miséria. A escravidão e a discriminação racial contribuem para a situação de degradação social.
A Igreja Católica no Brasil, consciente da sua missão de “ser a advogada da justiça de defensora dos pobres” (DAp 395),  coloca-se ao lado destes irmãos ainda marginalizados. Renova a sua solidariedade com os Afro-brasileiros nesta data e, lembra que um dos caminhos para sanar esta dívida, passa pela adoção políticas públicas e ações afirmativas de parte das Instituições Governamentais em prol da melhoria das condições de vida da população Afro-brasileira, sobretudo, em relação à População Quilombola. Garantir a esta população a posse legalizada do seu território significa muito mais do que garantir um pedaço de chão. É a garantia da preservação da herança das culturas e das tradições afro-brasileira presentes nestas populações.
A memória da abolição da escravatura traz para nós a preocupação sobre o conceito de trabalho escravo, discutido no Senado Federal. Corremos o risco de um grande retrocesso na luta contra o trabalho escravo contemporâneo. Por outro lado, faz-se necessário aprofundar as políticas e ações afirmativas de inclusão cidadã do restante da população afro-brasileira, especialmente as crianças e jovens. Isto passa por uma educação básica de qualidade, pelo acesso ao ensino superior público e gratuito e pelo atendimento qualificado nas questões de saúde. A experiência de uma vida digna e feliz, sinal do Reino de Deus, supõe o atendimento destes princípios fundamentais de cidadania.
Jesus Cristo aquele que revela o Deus misericordioso nos convida a compromisso samaritano, profético, que ilumina o compromisso eclesial com toda a população afro-brasileira, pelo atendimento qualificado nas questões brasileiras.   
Sob o olhar maternal de Nossa Senhora de Fátima, cuja festa hoje celebramos, proclamando que “é pelo amor que é preciso conquistar o direito de dizer a verdade” (Dom Hélder), invocamos a Bênção de Deus sobre todos os que se comprometem com esta causa.                                   
Brasília, 12 de maio de 2015.
Dom Zanoni Demettino Castro
Arcebispo Coadjutor de Feira de Santana – BA
Bispo Referencial da Pastoral Afro-brasileira
Pe. Jurandyr Azevedo Araujo, SDB
Assessor Nacional da Pastoral Afro-brasileira

terça-feira, 12 de maio de 2015

PJB da Região Pastoral 3 realiza Assembleia e elege articulação


Aconteceu entre os dias 08 e 09 de maio, na cidade de Ipirá (BA), a 2ª Assembleia das Pastorais da Juventude da Região Pastoral 3. Essa região é composta pelas Dioceses de Feira de Santana, Irecê, Juazeiro, Ruy Barbosa, Senhor do Bonfim e Serrinha, todas na Bahia. Com o tema “PJs da Região Pastoral 3, e o serviço às juventudes” e o lema “Eu vim para que todos tenham vida”, foi uma atividade de estudo, avaliação e planejamento da caminhada conjunta da PJ, PJR e PJMP desta região. Também foi uma Assembleia eletiva, para a articulação e assessoria.
A sexta começou com a mística inicial, realizada pelos pjoteiros do meio popular da cidade de Ipirá. Com a ambientação própria das Pastorais da Juventude, esse foi um momento orante, em que se recordou a vida das juventudes e dos grupos de jovens. Em seguida foi feito o momento da partilha da realidade das Dioceses, o momento do ver.
O sábado iniciou com a oração do Ofício Divino da Juventude, recordando a iluminação bíblica desta Assembleia, que remonta ao compromisso cristão de buscar a vida em pleninute, no caso das PJs, a vida em plenitude a todos os jovens. Logo após foi iniciado o momento da formação: o Secretário Regional da PJ, Bruno Conceição, assessorou para os presentes sobre os elementos da Plano Político-Pastoral da PJB do Regional Nordeste 3 (Bahia e Sergipe). Após as apresentações foram realizados trabalhos em grupos para otimizar a discussão sobre as temáticas. Através desses trabalhos pode-se escolher as prioridades da caminhada conjunta das PJs na região, bem como as próximas atividades que serão feitas .
Logo após foi realizada a eleição da articulação e assessoria da Região Pastoral até a próxima Assembleia em 2017. Foram eleitos: para a articulação, Erik Nascimento (PJ da Arquidiocese de Feira de Santana, e que estava no serviço da articulação da RP no último ano), Ramon Fagundes (PJMP da Diocese de Ruy Barbosa), e para a assessoria, Fernando Trindade (PJMP da Diocese de Ruy Barbosa). Por fim a mística de envio ficou por responsabilidade de Bruno Conceição, que com uma ciranda acolheu a nova equipe da PJB na Região Pastoral 3.

Fonte: Pastorais da Juventude do Brasil – Regional Nordeste 3

domingo, 10 de maio de 2015

Por que falar sobre o financiamento público de campanhas?

Facea
Queridos (a) jovens!
A crítica ao atual sistema político deve ser acompanhada de propostas que valorizem a atuação política como um todo, seja pela via dos partidos políticos, dos conselhos de direitos ou dos movimentos sociais. É necessário aprovar uma Reforma Política capaz de construir um sistema político mais democrático e representativo no País, ampliando a participação popular nas esferas de poder.
Percebemos que mesmo com os avanços políticos, econômicos, sociais e ambientais, ainda existe um grande número de problemas em nosso sistema eleitoral que precisam ser enfrentados, dentre eles destaca-se o financiamento de campanhas por empresas e a consequente corrupção eleitoral.
Essa corrupção acaba desencadeando a crise urbana e rural vivenciada pelo conjunto da sociedade com a baixa qualidade transporte público das grandes cidades, a violência crescente, a carência de esporte e lazer para a juventude, a deficiência da educação, a precariedade da saúde pública, a falta de terras para os/as trabalhadores/as sem-terra, entre outros tantos problemas.
É notável que a juventude é parte integrante das articulações, mostrando que ela está cada vez mais atenta aos processos e quer colaborar diretamente na construção de um novo jeito de se fazer a política em nosso País, mas o engajamento de cada brasileiro/a deve ser maior.
No desejo de colaborar nas reflexões da Reforma Política tão divulgada pelas mídias, na maioria das vezes de forma equivocada e manipuladora, damos continuidade nas publicações sobre a Reforma Política que acreditamos, abordando nesta segunda roda a pauta do Financiamento Público de Campanhas. Que este material possa ajudar a visualizar melhor o nosso papel de refletir, mobilizar e agir no processo da Reforma Política, em busca de mudança e do Outro Mundo Possível.


EQUIPE DO PROJETO NACIONAL “A JUVENTUDE QUER VIVER!” (PJ)

sexta-feira, 8 de maio de 2015

CNBB e Cáritas lançam campanha de apoio ao Nepal

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) e a Cáritas Brasileira lançaram a Campanha de Solidariedade ao Nepal – SOS Nepal. A iniciativa pretende arrecadar recursos para auxiliar as mais de 8 milhões de pessoas atingidas pelo terremoto que devastou o país no dia 25 de abril.
O terremoto de magnitude 7,9 na escala Richter atingiu, além do Nepal, a Índia, a China, Bangladesh e o Paquistão. Segundo a Organização das Nações Unidas (ONU), o desastre natural deixou mais de 5 mil pessoas mortas e 6 mil feridas.
A Campanha está em sintonia com os apelos do papa Francisco, que dirigiu mensagem de alento aos atingidos, no domingo, dia 26. “Desejo confirmar a minha proximidade com as populações atingidas pelo forte terremoto no Nepal e que atingiu também os países vizinhos. Rezo pelas vítimas, pelos feridos e por todos os que sofrem devido a esta calamidade. Que tenham o apoio da solidariedade fraterna”, disse o papa.
Em carta dirigida às dioceses paróquias, comunidades, congregações, colégios e todas as pessoas de boa vontade, a Presidência da CNBB e o bispo de Santarém (PA) e presidente da Cáritas Brasileira, dom Flávio Giovenale, conclamam os brasileiros “para realização de uma grande corrente de oração e coleta de solidariedade, em favor do Nepal, no final de semana do dia das mães (09 e 10 de maio), fazendo memória de tantas mães, pais e filhos falecidos nesta tragédia”.
Os recursos arrecadados serão destinados para ações de urgência, disponibilização de itens como água potável, alimentos, lonas e tendas, atendimento às necessidades especiais das crianças, mulheres e pessoas com deficiências, com apoio posterior na reconstrução das condições de vida da população do Nepal.
A Cáritas disponibilizou três contas para depósito:
Banco do Brasil
Agência: 3475-4
Conta Corrente: 31.936-8

Banco Bradesco
Agência: 0606-8
Conta Corrente: 71.000-8

Caixa Econômica Federal
Agência: 1041
Conta Corrente: 3573-5
Operação: 003

Fonte: CNBB

terça-feira, 5 de maio de 2015

Confira o subsídio do DNJ 2015


A Comissão Episcopal Pastoral para Juventude da CNBB, lança o subsídio para o Dia Nacional da Juventude (DNJ) 2015, com o lema “Juventude construindo uma nova sociedade”, e a inspiração “Estou no meio de vós como aquele que serve” (Lc 22, 27), buscando motivar a juventude a participar ativamente na vida da Igreja e da Sociedade.
O DNJ segue uma tradição semelhante à da Campanha da Fraternidade, acentuando a dimensão social da fé, enfocando os problemas que afligem a vida da nossa juventude.  
A Comissão para a Juventude elabora, anualmente, um subsídio com pistas e sugestões de encontros para os grupos de jovens.

Para fazer download do subsídio completo, clique aqui.

Fonte: Centro de Capacitação da Juventude (CCJ)

segunda-feira, 4 de maio de 2015

Celebração marca início do processo de beatificação de Dom Hélder

Dom Helder
No último dia 3 de maio de 2015, aconteceu a missa de abertura do processo canônico de beatificação e canonização de Dom Hélder Câmara. A celebração aconteceu na Catedral da Sé – Olinda, Pernambuco e contou com a participação de centenas de fiéis devotos de Dom Hélder e também com os bispos e padres do Regional Nordeste 2 e todo o Brasil.
Com muita emoção, Dom José Maria Pires, o Dom Zumbi, bispo emérito de João Pessoa, relatou toda a
IMG-20150503-WA0012
história e profetismo de Dom Hélder, demonstrando sinais de uma vida concreta a SERVIÇO DO REINO.

Durante a celebração foi apresentado o tribunal pela causa de beatificação e a comissão de investigação histórica que será dirigida por Luiz Carlos, que afirmou que o bispo cearense já é considerado Servo de Deus.
Na alegria, emoção e mística encerramos com a oração com aprovação eclesiástica para pedir a Beatificação e Canonização de Dom Hélder Câmara, para que possamos testemunhar o vosso amor e a vossa misericórdia.
Por Cladilson Nardino

sábado, 2 de maio de 2015

Cáritas Brasileira e CNBB irão lançar campanha de ajuda ao Nepal

FOTO2
A Cáritas Brasileira e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) estão se articulando para o lançamento da campanha de arrecadação de recursos financeiros para as vítimas do terremoto de magnitude 7,9 ocorrido no último sábado, 25, e que atingiu o Nepal, a Índia e a China. Segundo a Organização Mundial das Nações Unidas (ONU), o desastre natural afetou mais de 8 milhões de pessoas, com mais de 5 mil mortos e 6 mil feridos.
Diante da tragédia, a Cáritas Internacional (CI) está trabalhando com a Cáritas Nepal para oferecer ajuda aos feridos e desabrigados. A partir de uma teleconferência realizada entre 14 entidades que prestam apoio às vítimas do terremoto no Nepal, foi produzido um relatório da situação do país e de sua população neste momento.
A Rede Caritas e entidades parceiras apontaram que casacos, lonas e tendas, água e alimentos estão entre as principais e imediatas necessidades expressas pela Cáritas Nepal.
No domingo, 26, o papa Francisco rezou uma Ave Maria pelas vítimas do terremoto, junto aos fiéis reunidos na praça São Pedro, no Vaticano. Na oração dominical do Angelus, ele dirigiu uma mensagem de alento aos atingidos. “Desejo confirmar a minha proximidade com as populações atingidas pelo forte terremoto no Nepal e que atingiu também os países vizinhos. Rezo pelas vítimas, pelos feridos e por todos os que sofrem devido a esta calamidade. Que tenham o apoio da solidariedade fraterna”, expressou Francisco.
Recursos humanos e financeiros:
Neste momento, 33 agentes de várias Cáritas do mundo estão no Nepal e há um recurso de, aproximadamente, 2,5 milhões de euros para atender às necessidades imediatas dos sobreviventes.
A Caritas Nepal determinará sobre a necessidade de mais recursos humanos e será estabelecido mecanismo de apoio.
Para mais informações:
- Cáritas Brasileira: Localização: SGAN Quadra 601 Módulo F / Asa Norte - CEP: 70830-010 (Brasília-DF). +55 (61) 3521-0350
- Caritas Nepal: entre em contato com Lilian Chan: Telefone LilianC@caritas.org.au ou telefone +61 410 009 200.
Fonte: Cáritas Brasileira e CNBB

sexta-feira, 1 de maio de 2015

CNBB divulga mensagem aos trabalhadores e trabalhadoras

A Presidência da  Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulga, neste 1º de maio, mensagem aos trabalhadores e trabalhadoras. No texto, a CNBB manifesta “apoio aos homens e mulheres que, pelo trabalho, constroem caminhos de vida e de fraternidade”.
Os direitos dos trabalhadores também são lembrados na mensagem. A exemplo das medidas provisórias que tratam de mudanças nas regras de acesso ao auxílio-doença e à pensão por morte e sobre o seguro-desemprego, abono salarial e seguro-defeso. “Elas representam uma ameaça aos trabalhadores”, consta do texto.  Os bispos afirmam, ainda, que lei que permite a terceirização do trabalho não pode negar ou restringir o direito dos trabalhadores.
Confira, na íntegra, a mensagem:  
Mensagem da CNBB aos trabalhadores e trabalhadoras

Quero apenas ver o direito brotar como fonte,
e correr a justiça qual regato que não seca (Am 5,24)

A Conferência Nacional dos Bispos do Brasil – CNBB, por ocasião das comemorações do Dia do Trabalhador e da Trabalhadora, neste 1º de Maio, manifesta seu apoio aos homens e mulheres que, pelo trabalho, constroem caminhos de vida e de fraternidade.  Dimensão fundamental da existência da pessoa humana sobre a terra (cf. LE, 4), o trabalho transforma as pessoas e a natureza, apoiado na inteligência e na criatividade humanas a serviço do bem.
Nunca é demais recordar que “o trabalho é um bem de todos, que deve ser disponível para todos aqueles que são capazes de trabalhar. O pleno emprego é, portanto, um objetivo obrigatório para todo o ordenamento econômico orientado para a justiça e para o bem comum”(CDSI 288). Saliente-se, portanto, que “a obrigação de ganhar o pão com o suor do próprio rosto supõe, ao mesmo tempo, um direito. Uma sociedade onde este direito seja sistematicamente negado, onde as medidas de política econômica não consintam aos trabalhadores alcançarem níveis satisfatórios de ocupação, não pode conseguir nem a sua legitimação ética nem a paz social” (CA, 43). O Papa Francisco afirma que “a economia não pode mais recorrer a remédios que são um novo veneno, como quando se pretende aumentar a rentabilidade reduzindo o mercado de trabalho e criando assim novos excluídos” (EG, 204).
A situação política e econômica pela qual passa o Brasil exige que se dê atenção especial à defesa, consolidação e ampliação dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras. Tramitam no Congresso Nacional a Medida Provisória 664/2014, que trata de mudanças nas regras de acesso ao auxílio-doença e à pensão por morte e a Medida Provisória 665/2014, que trata do seguro-desemprego, abono salarial e seguro-defeso, no caso dos pescadores. Elas representam uma ameaça aos trabalhadores. A lei que permite a terceirização do trabalho, conforme manifestação da CNBB durante sua 53ª Assembleia Geral, não pode negar ou restringir o direito dos trabalhadores. A retomada de crescimento do País, uma das condições para vencer a crise, precisa ser feita sem trazer prejuízo à população, aos trabalhadores e, principalmente, aos mais pobres (...). É inadmissível que a preservação dos direitos sociais venha a ser sacrificada para justificar a superação da crise”. (CNBB, 21.04.2015).
Reiteramos nossa preocupação com o número de trabalhadores que ainda estão em regime de escravidão. Urge que a Proposta de Emenda Constitucional 57/1999, já aprovada no Senado, embase a punição legal às empresas que fazem uso da mão de obra escrava. Não podemos mais conviver com essa realidade que atenta contra a dignidade da pessoa humana.
Nesse 1º de Maio, em que trazemos à memória os que doaram sua vida na defesa e promoção dos direitos dos trabalhadores e trabalhadoras do Brasil, fazemos votos de que cresça, sempre mais, “a consciência de que o trabalho humano é uma participação na obra de Deus” (LE, 25). Agradecemos, pois, os trabalhadores e trabalhadoras que, não obstante as adversidades e graves problemas sociais, empregam todos os seus esforços pela construção de uma sociedade democrática e justa.
Que Deus seja a força dos trabalhadores e trabalhadoras e São José alcance de Jesus Cristo proteção e graça para todos.
Brasília, 1º de maio de 2015

Dom Sérgio da Rocha
Arcebispo de Brasília
Presidente da CNBB

Dom Murilo Sebastião Krieger
Arcebispo de Salvador
Vice-presidente da CNBB

Dom Leonardo Ulrich Steiner
Bispo Auxiliar de Brasília
Secretário Geral da CNBB