terça-feira, 30 de outubro de 2012

MPF comemora decisão que mantém indígenas em terra Guarani-Kaiowá no MS



Desde novembro de 2011, os Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue ocupam área de reserva legal da fazenda Cambará, em Iguatemi, sul de MS; os 170 indígenas da comunidade se refugiaram no local - situado do outro lado do rio (foto da travessia) que corta a região - depois de ataque de pistoleiros em agosto do mesmo ano


O Tribunal Regional Federal da 3ª Região, em São Paulo, suspendeu operação de retirada dos índios Guarani-Kaiowá do acampamento Pyelito Kue, atendendo a pedido da Fundação Nacional do Índio, após intensa mobilização de cidadãos na internet. O Ministério Público Federal tinha feito o mesmo pedido e foi contemplado pela decisão de hoje.
"A mobilização das redes sociais foi definitiva para alcançar esse resultado. Provocou uma reação raramente vista por parte do governo quando se trata de direitos indígenas", disse o procurador da República Marco Antonio Delfino de Almeida, que atua em Dourados. A situação dos guarani em Pyelito Kue se tornou assunto em todo o país quando os índios divulgaram uma carta em que se declaravam dispostos a morrer em vez de deixar as terras, assim que foram notificados do despejo pela Justiça Federal do Mato Grosso do Sul.
Pela decisão de hoje, os 170 indígenas podem permanecer em uma área de 2 hectares dentro da fazenda Cambará, em Iguatemi/MS, até que os trabalhos de identificação da terra indígena sejam concluídos. Relatório de Identificação e Delimitação da Terra Indígena falta ser publicado pela Funai. A desembargadora Cecilia Mello determinou o envio da decisão à presidente da República, Dilma Rousseff e ao ministro da Justiça, José Eduardo Martins Cardozo. 
À Funai, a desembargadora determinou que "deve adotar todas as providências no sentido de intensificar os trabalhos e concluir o mais rápido possível o procedimento administrativo de delimitação e demarcação das terras". Os trabalhos se arrastam há pelo menos 3 anos, quando a Funai assinou um Termo de Ajuste de Conduta com o MPF para examinar a questão territorial dos Guarani-Kaiowá. 
Pyelito Kue
Os Guarani-Kaiowá de Pyelito Kue ocupam área de reserva legal da fazenda Cambará, em Iguatemi, sul de Mato Grosso do Sul, desde novembro de 2011. Os índios se refugiaram no local - situado do outro lado do rio que corta a região - depois de ataque de pistoleiros em agosto do mesmo ano. Crianças e idosos ficaram feridos e o acampamento, montado à beira de estrada vicinal, foi destruído. (Confira nota sobre o ataque e fotos da travessiados índios)
Nota técnica da Fundação Nacional do Índio (Funai) publicada em março deste ano concluiu que a área reivindicada pelos indígenas como Pyelito Kue e Mbarakay é ocupada desde tempos ancestrais pelas etnias guarani e kaiowá. “Desde o ano de 1915, quando foi instituída a primeira Terra Indígena, ou seja, a de Amambai, até os anos de 1980 - com forte ênfase na década de 1970 -, o que se assistiu no Mato Grosso do Sul foi um processo de expropriação de terras de ocupação indígena, em favor de sua titulação privada”.
Para o Ministério Público Federal “afastar a discussão da ocupação tradicional da área em litígio equivale a perpetuar flagrante injustiça cometida contra os indígenas em três fases distintas e sucessivas no tempo. Uma quando se lhes usurpam as terras; outra quando o Estado não providencia, ou demora fazê-lo, ou faz de forma deficiente a revisão dos limites de sua área e quando o Estado-Juiz lhes impede de invocar e demonstrar seu direito ancestral sobre as terras, valendo-se justamente da inércia do próprio Estado”.
Referência processual: Autos nº 0000032-87.2012.4.03.6006

domingo, 28 de outubro de 2012

Carta aos jovens da América Latina


oficial_fora
Confira abaixo a carta de conclusão do XVII Encontro Latino-americano de Responsáveis Nacionais de Pastoral Juvenil que aconteceu de 20 a 27 de outubro em Ypacaraí (Paraguai)

XVII ENCONTRO LATINO-AMERICANO DE RESPONSÁVEIS NACIONAIS DE PASTORAL JUVENIL

CARTA MENSAGEM AOS JOVENS DA AMÉRICA LATINA E DO CARIBE

Com alegria um novo sol se levanta no espírito dos jovens de nossa América Latina e do Caribe.


Na cidade de Ypacaraí – Paraguai, nos reunimos de 20 a 27 de Outubro de 2012 os Responsáveis Nacionais de Pastoral Juvenil de 23 países: Antilhas, Argentina, Aruba, Bolívia, Brasil, Chile, Colômbia, Costa Rica, Cuba, Curaçao, Equador, El Salvador, Guatemala, Honduras, México, Nicarágua, Panamá, Paraguai, Peru, Porto Rico, República Dominicana, Uruguai e Venezuela, como convidados especiais: membros do Secretariado de Bispos dos EUA para América Latina, delegados da Pastoral Hispânica nos EUA, membros da Rede de Institutos da Pastoral Juvenil Latino-americana e organizadores da JMJ Rio 2013, para retomar e reassumir com novas forças as Orientações da Pastoral Juvenil Latino-americana e do Caribe, na construção da Civilização do Amor.



Durante esses dias de encontro e comunhão, partilhamos a vida e o caminhar pastoral, iluminados pela vontade de Deus através do discernimento. Também conhecemos e refletimos a sistematização do Processo de Revitalização através da socialização do documento “Civilização do Amor. Projeto e Missão”.



Durante anos, a Pastoral Juvenil Latino-americana foi fazendo história. Reconhecemos e valorizamos todos aqueles que, ao longo do caminho, entregaram sua vida por essa grande paixão no seguimento de Jesus Cristo. 



Vivemos em uma hora de graça, este é nosso momento. Com a força de nossa vocação cristã, hoje nos cabe ser os protagonista desta história, pois somos conscientes de que em nossas mãos estar o compromisso de construir uma nova sociedade impregnada com os valores do Reino.



Por isso, manifestamos nossa alegria de ser cristãos, testemunhas da fé e portadores de esperança em entre a vida cotidiana dos jovens. 



Temos vivido uma experiência de conversão pessoal e pastoral, agradecidos com nosso Pai Deus e fascinados com sua proposta, regressamos a nossos países com muita alegria e entusiasmo para anunciar o que vimos e ouvimos.



Nosso profundo agradecimento à Equipe Latino-americana de Pastoral Juvenil do Departamento de Família, Vida e Juventude e ao Conselho Episcopal Latino-americana (Celam) a esse lindo país, Paraguai, e a todas as pessoas maravilhosas que tornaram possível este encontro.



Pedimos à Virgem de Caacupé, padroeira destas terras guaranis, que nos cubra com seu Santo Manto e acompanhe sempre o caminhar de nossos povos, especialmente neste tempo de preparação para a Jornada Mundial da Juventude Rio 2013.

 “Isso que vimos e ouvimos, nós os anunciamos” (1Jo 1,3)
Ypacaraí – Paraguai, 26 de Outubro de 2012
Fonte: Jovens Conectados (jovensconectados.org.br)

sábado, 27 de outubro de 2012

É lançada a nova edição de "Civilização do Amor"




Um marco para orientar toda a ação pastoral juvenil da América Latina foi lançado nesta quinta-feira (25) durante o XVII Encontro Latino-americano de Responsáveis Nacionais de Pastoral Juvenil em Ypacarai, Paraguai. O documento “Civilização do Amor - Projeto e Missão” é fruto de um trabalho de quatro anos de jovens, assessores, bispos e estudiosos para revitalizar a atuação pastoral tendo como centro a vida da juventude.

A proposta inicial da Seção de Juventude do Conselho Episcopal Latino-americano (Celam), em 2008, foi atualizar o documento “Civilização do Amor. Tarefa e Esperança”, de 1995. O processo de revitalização da Pastoral Juvenil Latino-Americana, iniciado em 2009, e o chamado da Conferência de Aparecida aos jovens para serem discípulos missionários deram novas indicações para atualizar as orientações pastorais.

O livro, produzido por várias mãos, foi inicialmente escrito por uma equipe de assessores, revisado por jovens delegados, relido por jovens para avaliar a linguagem, depois por representantes dos institutos que trabalham com juventude da América Latina, pelo departamento de juventude das conferênciais episcopais e, finalmente, pelos bispos do departamento Família, Vida e Juventude do Celam.

A base do documento é formada por cinco marcos (da realidade juvenil, histórico, doutrinal, operacional e celebrativo) sempre com a vida de cada jovem como centro das reflexões e dos textos. 

O presidente do Departamento Família, Vida e Juventude do Celam, Dom Raúl Martín, afirmou que as orientações pastorais são uma continuidade do caminhar da pastoral juvenil em todo o subcontinente latino-americano para impulsionar as realidades juvenis. “Os jovens estão chamados a dinamizar o corpo social da Igreja. Hoje essa Civilização do Amor se traduz em uma vivência radical do discipulado missionário de Jesus Cristo.” 

“Quero agradecer as três equipes que passaram na Pastoral Juvenil. Todos fizeram sua parte para caminhar esse projeto”, disse o presidente da Seção Juventude no Celam, dom Mariano Parra, que apresentou o histórico do trabalho que gerou o documento. 

Fazer vida
Para a jovem panamenha Deyanira Rivera, o documento é “um presente de Deus que me convida a apropriar-me de seu conteúdo para fazê-lo vida”. Ela revisou todo o documento, junto com o jovem brasileiro Luís Duarte, para assegurar que o texto estivesse com linguagem juvenil desde o começo ao fim. “É importante que a Civilização do Amor seja assumida desde os jovens e para os jovens”, ressaltou.

O assessor da pastoral juvenil na Bolívia Álvaro Irigoyen lembrou que amor aos jovens deve orientar todo o trabalho pastoral para o documento Civilização do Amor – Projeto e Missão ser efetivo. “Se não vês o jovem com amor, por mais livros que tenhamos, não vai adiantar”, disse. Ele pediu a todos os responsáveis nacionais por pastoral juvenil a não esquecerem da história de trabalho ao aplicar o documento a cada realidade.

Leitura crítica
A pesquisadora de juventude Carmem Lúcia Teixeira afirmou que é essencial ter uma leitura crítica do documento para bem aproveitá-lo. “Como é um livro construído por muitas mãos ele vai ter muitas contradições e isso é bom. Convido a todos para fazer sempre uma leitura crítica, que é a capacidade de ler e colocar na leitura o nosso ponto de vista”, explicou.

Ela, que é coordenadora do núcleo de formação da Casa da Juventude em Goiânia (Brasil), fez parte da equipe de assessores de juventude, convidados pelo Celam, que coordenou a elaboração do documento.

“Para abrir o livro devemos ter como centro a vida da juventude. Assim como Jesus, que a cada encontro chama a pessoa para o centro”, ressaltou Carmem Teixeira. Ela lembrou que cada marco do livro foi produzido com essa perspectiva. Segundo a pesquisadora, a pastoral juvenil que não assume a Civilização do Amor no dia a dia, pode queimar todos os livros. “Tem de fazer a diferença, tem de ser a boa notícia”.
   
Fonte: Jovens Conectados (jovensconectados.org.br)

quarta-feira, 10 de outubro de 2012

A Juventude celebra a Vida no DNJ



A juventude das nossas paróquias vai se encontrar para celebrar o Dia Nacional da Juventude (DNJ), com o tema: “Juventude e vida”, com o lema: “Que vida vale a pena ser vivida?” e com a seguinte iluminação bíblica: “Eu vim para que todos tenham vida” (Jo 10,10).


A vida, não resta dúvida, é o bem mais precioso que recebemos de Deus. Os jovens não passam ao largo dessa grande verdade, pelo contrário, eles têm uma sensibilidade ainda maior para perceber o pulsar da vida. Repetidas vezes, distraem-se, mas amam demais a vida. Os jovens querem viver! Mesmo que um jovem esteja no mundo das drogas, seu coração reza: a vida é dom de Deus e eu quero viver.

Freqüentemente, muitos jovens se perguntam: “Que vida vale a pena ser vivida?” Essa pergunta é o início de uma grande reflexão, que nos faz atentar para o fato de que a nossa vida deve ser transformada em projeto. Assim, não basta se dá conta de que temos fome de felicidade. Precisamos colocar metas para concretizar esse sonho e reunir esforços para que a vida não passe despercebida pela nossa própria existência.

Já entendemos que é preciso projetar a vida, para que ela seja experienciada com a sua densidade. Vai nos dizer Dom Eduardo, da Comissão de Juventude da CNBB: “Chamados por Deus à vida, somos também chamados a administrá-la da melhor maneira possível, para que ela cumpra o seu próprio destino de nos conduzir à verdadeira felicidade, à perfeição, à santidade. E para isso, acolhemos a proposta cristã que nos foi revelada como o melhor caminho”.

Diante dessas reflexões, resta-nos perguntar: quais são os sonhos para a minha/nossa vida? Quem é Jesus Cristo e qual seu projeto de vida para mim, para nós? Tenho optado pautar minha vida pela proposta do Evangelho e sob a luz do Espírito Santo? Como estão as dimensões da minha vida, a partir daquilo que a Igreja me orienta sobre elas? Qual é a qualidade de meus sonhos na vida? Eles estão em consonância com a vontade de Deus e abertos para o bem da sociedade e do próximo?

Feliz Dia Nacional da Juventude! Viva os nossos jovens! 
Dia 21 estaremos unidos para celebrar a vida da Juventude!

Júlio Santa Bárbara
Padre Referencial da Pastoral da Juventude na Arquidiocese de Feira de Santana

sexta-feira, 5 de outubro de 2012

Seminário inicia os preparativos para a CF2013 no Regional NE3

Salvador, Por CNBB-NE3 – Nos últimos dias 28, 29 e 30 de setembro aconteceu em Salvador, no Patronato São José, na cidade baixa, o Seminário Regional da Campanha da Fraternidade 2013, que tem por tema “Fraternidade e Juventude”.
O evento que foi promovido pela CNBB regional Nordeste 3, contou com a presença do assessor da CF da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), Padre Luiz Carlos, e de Dom Gilson Gilson Andrade da Silva, bispo auxiliar e referencial para a juventude e JMJ na Arquidiocese de Salvador; além de Dom Gregório Paixão, também bispo auxiliar da Arquidiocese de Salvador e secretário Regional da CNBB, que foi ao evento prestigiar uma mesa redonda em que os jovens expuseram suas temáticas aos prelados.

O seminário da CF é a primeira das ações que acontecerão durante toda a vigência da campanha.
No primeiro dia após a recepção dos agentes e a oração inicial, ouve uma plenária sobre a formação das equipes diocesanas de Campanhas com o Diác. Luciano de Conquista-BA. À tarde, com o Pe. Vicente foi à vez de participarem de uma formação sobre a Campanha de Evangelização. À noite, aconteceu um bate-papo, com formato de mesa-redonda, com Dom Gilson e os Jovens Felipe, do Acampamento Timóteo e Eric, articulador da PJ no Regional e Felipe Freitas, da PJ de Feira de Santana.
No sábado, foi a vez do Pe. Luiz Carlos dar formações específicas sobre o tema da Campanha da Fraternidade e à noite houve um momento de confraternização com apresentações culturais e a partilha de comidas típicas.
O seminário continuou durante domingo, tendo seu final com um almoço onde todos se congratularam pelos conhecimentos adquiridos e os momentos em que passaram juntos. O evento foi avaliado por todos como muito produtivo. A idéia agora é que os agentes vão para suas comunidades multiplicarem e realizarem as ações esperadas pela campanha.

Fonte: cnbbne3.org.br