sexta-feira, 31 de janeiro de 2014

Celebrar 10 anos de Ofício Divino da Juventude


O Ofício Divino da Juventude (ODJ) é um instrumento de oração, inspirado no Ofício Divino das Comunidades. Traz consigo a herança das comunidades cristãs de fazer orações pela manhã e pela tarde, valorizando a cultura e o jeito do povo falar com Deus, com atenção à Vida e a Bíblia como realidades, nas quais o Senhor, Criador da Vida, revela-se.

O ODJ já foi utilizado em várias celebrações, encontros dos jovens. O Ofício das Comunidades e da Juventude nasceu ecumênico.

O ODJ  quer ser para a juventude um jeito profundo e gostoso de celebrar a fé e a vida no Deus que nos cria e recria todos os dias.

A 6a Edição está pronta. Ela é comemorativa dos 40 anos da PJ. Nesta publicação chegamos a 80 mil exemplares. Se a sua comunidade, seu grupo, sua congregação precisa de um material para celebrar, cantar...

Você pode participar da celebração dos 10 anos. Escreva a sua história e do seu grupo a partir do uso do Ofício. Nós vamos publicar aqui as histórias aqui em nosso blog, você pode colaborar contando as histórias?

Fonte: Cajueiro

quinta-feira, 30 de janeiro de 2014

Morre, aos 81 anos, o padre João Batista Libânio

Faleceu nesta manhã, 30 de janeiro, em Curitiba (PR), o Pe. João Batista Libanio. O jesuíta que completaria 82 anos, no dia 19 de fevereiro, foi vítima de um infarto. Pe. Libanio estava na cidade orientando um retiro para professores.
O jesuíta era licenciado em Teologia pela Hochschule Sankt Georgen, em Frankfurt (Alemanha), e doutor pela Universidade Gregoriana (Roma). Atualmente, atuava como professor da FAJE (Faculdade Jesuíta de Filosofia e Teologia), em Belo Horizonte (MG). Publicou centenas de artigos em revistas nacionais e estrangeiras e mais de cem livros, entre os de autoria própria e os em colaboração. É internacionalmente reconhecido como um dos teólogos da Libertação.
O velório será realizado nesta sexta-feira, 31 de janeiro, a partir das 11h, no Auditório Dom Luciano Mendes de Almeida, na FAJE. Às 20h, no mesmo local, haverá uma oração da noite, para celebrar, com uma “memória agradecida”, a vida doada do Pe. Libanio.
No sábado, 1º de fevereiro, o arcebispo de Belo Horizonte, dom Walmor Oliveira de Azevedo, presidirá uma missa no Auditório Dom Luciano. Às 14h, na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, em Vespasiano (MG), haverá outra missa, de onde sairá o corpo, por volta das 16h para o enterro, que será às 17h, no Cemitério Bosque da Esperança.
A missa de 7º dia será no dia 5 de fevereiro, às 20h, na Paróquia Nossa Senhora de Lourdes, em Vespasiano, local onde o Pe. Libanio viveu mais intensamente seu ministério pastoral.
Pe. Libanio era tão admirado por seu trabalho que um grupo de amigos e admiradores, mantém um site sobre o jesuíta. Com artigos científicos e de jornais, homilias, reflexões sobre o Concílio Vaticano II, vídeos, livros...
Em sua página pessoal no Facebook, o Pe. Francys Silvestrini Adão, sócio do provincialado do Brasil, falou sobre a importância do Pe. Libânio para a Companhia de Jesus e para toda a sociedade. “Rezemos a Deus, agradecendo o bem que Ele fez a seu povo através da vida e da missão do Pe. Libânio, que era um grande teólogo, formador, pastoralista, evangelizador das Juventudes. Que Deus o acolha, com alegria, em seu Reino!”.
Fonte: Jesuítas Brasil

segunda-feira, 27 de janeiro de 2014

PJ mapeia mais de nove mil grupos de jovens em 158 dioceses do Brasil

Olhar para a realidade dos regionais e das dioceses foi a tarefa dos delegados da ANPJ durante a tarde da última terça-feira (21). A partir de trabalho em grupo, e apresentação de resultados de sondagem realizada no ano passado, os participantes da Ampliada finalizaram o bloco VER.
Divididos em seus regionais, jovens e assessores tiveram a tarefa de apontar, em um mapa, a atual situação da realidade da PJ em sua localidade. Destacaram, por dioceses, a existência ou não de grupos de PJ, coordenação diocesana, assessoria diocesana ou dioceses onde não se tem contato. Após um olhar coletivo para o mapa dos regionais, padre Toninho, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, apresentou seu olhar sobre a realidade a partir de visita aos regionais.
No momento seguinte, foi apresentado aos delegados um recorte do resultado da sondagem realizada aos regionais e dioceses em preparação à Ampliada. No segundo semestre de 2013, foram aplicados dois instrumentos para se fazer um diagnóstico da realidade da PJ e contribuir com as discussões da ANPJ. Segundo Joaquim Alberto, membro da Comissão Nacional de Assessores, todos os 18 regionais da CNBB responderam à sondagem. Ele lembrou que apenas o regional Oeste 1, por estar em processo de articulação, respondeu parcialmente. Quanto às dioceses, das 262 existentes 158 responderam à sondagem.
Como resultado da pesquisa, foram mapeados 9183 grupos de jovens de PJ, em 2675 paróquias. A sondagem também identificou que, dessas paróquias, 1765 têm coordenação de PJ, mas 1641 não tem assessoria e nem acompanhamento.

Mapeamento aponta realidade da PJ nos Regionais e Dioceses
Para além do número de grupos, a sondagem, também identificou os desafios e avanços dos Regionais e Dioceses. Entre os dados coletados, foi identificada a existência de coordenação (arqui) diocesana em 145 e a ausência em outras 18, das 158 que responderam os questionários.

Desafios das dioceses:
  • Sustentabilidade financeira
  • Visitas às dioceses do Regional
  • Efetivação dos Projetos Nacionais
  • Clareza dos papéis de coordenadores e assessores
  • Manter a formação das dioceses
  • Diálogo com o Setor Juventude
  • Apoio das dioceses

Desafios dos regionais:
  • Assessoria e acompanhamento às dioceses – extensão territorial, acesso e quantidade de dioceses
  • Sustentabilidade – conseguir projetos financeiros
  • Formação de lideranças
  • Fazer com que os jovens conheçam e assumam a identidade da PJ
  • Clareza dos papéis e comprometimento da Coordenação e da Assessoria Regionais
  • Ausência de assessores regionais
  • Continuidade dos processos nos Regionais e Dioceses
  • Diálogo com padres responsáveis pela juventude nas dioceses
  • Falta de reuniões sistemáticas da coordenação ampliada do Regional

Avanços das dioceses:
  • Criação de novos grupos de base
  • Fortalecimento da identidade: Somos Igreja Jovem
  • Formação de lideranças jovens e assessores
  • Rede de assessores
  • Inserção e participação sociopolítica dos jovens
  • Projeto financeiro
  • Presença nos Conselhos Municipais e Estaduais de Juventude

Avanços dos regionais:
  • Articulação das dioceses e províncias
  • Unidade entre dioceses
  • Visita da Coordenação e Assessoria Regionais na maioria das dioceses
  • Conhecimento da realidade das dioceses
  • Envolvimento das dioceses na construção da ARPJ
  • Harmonia na CRPJ
  • Acompanhamento e atividades de formação nas dioceses e prelazias
  • Plano Trienal
Fonte: Pastoral da Juventude Nacional

sábado, 25 de janeiro de 2014

Na beira de um poço – Em Samaria!



“Cansado da viagem, Jesus sentou-se junto ao poço.

Era quase meio-dia.”
[João 4,6]

“Você tem sede de quê? Você tem fome de quê? A gente quer a vida...Como a vida quer!”
[Titãs]

Chegamos a Samaria. Nós, Pastorais da Juventude – Igreja Jovem do Continente Latino, estamos sempre a caminho. É que o seguimento de Jesus e o serviço à juventude não nos deixa parar. Nosso destino é a doação máxima da vida, com Jesus, em Jerusalém. O caminho para Jerusalém vai se fazendo. Guiados pela estrela vivemos Belém. Calçando sandálias de amor, de doação, de serviço e de seguimento percorremos Nazaré. Ungidos pelos perfumes da juventude desbravamos Betânia. E, de repente, em nosso caminho de serviço à juventude na América Latina nos deparamos com um poço. E na beira desse poço viveremos este ano que se inicia.

Samaria estava a mais de 100 km de Jerusalém. Tornou-se a capital do Reino do Norte até a sua destruição. Era uma região montanhosa. Elaine Neuenfeldt nos ajuda a compreender o impasse que existia há muito tempo entre Judeus e Samaritanos: “O conflito é de origem étnico-religiosa, com consequências sociais e políticas. No Antigo Testamento, recebemos a informação histórica sobre as causas do conflito. As pessoas samaritanas são remanescentes de um processo de colonização promovido pela dominação assíria, que trazia pessoas de outras regiões colonizadas e as misturava com os habitantes locais. Tal processo gerou reações de desprezo e rivalidades entre aquelas pessoas que se consideram "legítimos filhos de Israel" e aquelas que são "misturadas". Podemos encontrar estes relatos em 2 Reis 17,24-31, Eclesiástico 50,26 e Esdras 4,2-9. Esta carga histórica de rivalidade e conflito está presente na memória das pessoas que guardam o relato do encontro de Jesus com a samaritana como testemunho de sua fé. A afirmação de que Jesus, para chegar até seu destino, precisa passar pela Samaria, desencadeia estas lembranças na memória. Repetir o que já é conhecido, em situações conflituosas, pode ter esta função: verbalizar para provocar a reflexão. Neste contexto de conflito, o encontro e o diálogo entre Jesus e a samaritana rompem barreiras étnico-geográficas. Ela é mulher e é samaritana. Sua condição de gênero impede que converse com um homem em lugar público e, especialmente, perto do poço (no imaginário daqueles grupos, o poço é um lugar mítico, simbólico da erótica, relacionamento amoroso - Gênesis 24 e 29; Êxodo 2,11-22). Sua pertença a um povo resulta em problemas para estabelecer relações de amizade e confiança, de ajuda e solidariedade com alguém do povo inimigo.”

É um caminho conflituoso por natureza. Na prática, ação, palavras de Jesus e da Samaritana/dos Samaritanos o Reino acontece. A fronteira entre Judeus e Samaritanos é rompida através dos encontros de Jesus com estes. Já no início desse caminho a Samaria poderíamos nos perguntar: que conflitos temos vivido como jovens? Nos grupos de jovens? Que encontros são necessários para superar os desencontros que nos dividem?

Na Samaria de Jesus e nas “Samarias” da juventude, à beira do poço, percorreremos um caminho. Um caminho de saborear o mistério da gratidão. De pisar, tocar nas “Samarias” de hoje. Indagar-nos sobre qual postura e atitude de vida assumimos no serviço à juventude, em especial àquela ferida na beira de tantos “poços” em nosso Continente. De dialogar sobre os/as samaritanos/as de hoje. Um caminho de descobrir algo já sabido, sempre velho e sempre novo: a compaixão. Um caminho de pedir água às juventudes e de provocar-nos a perguntar sobre qual “água” temos buscado. Um caminho de diálogo sobre a espiritualidade juvenil e a espiritualidade da Pastoral da Juventude. Um caminho de re-aprender a escuta, como caminho de acompanhamento que gera autonomia. Um caminho de encontro com Jesus,
na beira do poço, e desse encontro sermos cada vez mais nós mesmos. Um caminho de retomarmos nossas histórias de vida. Um caminho que iremos descobrindo à medida que formos vivendo.




Neste mês de Janeiro o sentar-se na beira do poço, com as juventudes de nosso Continente, tem muito sabores, marcas, sentimentos, esperanças e causas. Com as Comunidades Eclesiais de Base do Brasil celebramos o 13º Interclesial. Momento de reafirmar a opção pela profecia e pela justiça desde as nossas comunidades. Vivemos com a Pastora da Juventude do Meio Popular o 4° Congresso Nacional, que teve como tema “PJMP: Terra fértil, canto forte" e lema "Sem arriscar não vivemos a esperança". Congresso que celebra os seus 35 anos. Vivemos com a Pastoral da Juventude Rural (PJR) o III Congresso da Juventude Camponesa. Com a Pastoral da Juventude Estudantil (PJE) vivemos a XV Assembléia Nacional. E com a Pastoral da Juventude (PJ) encerramos a celebração dos 40 anos com a Ampliada Nacional da PJ de Belo Horizonte. Quanta coisa bonita! Quantos sinais do Reino de Deus! Quantos encontros superando desencontros! Igreja-jovem! Planos sendo construídos, projetos avaliados, horizonte sendo cada vez mais clareados!



Sentar-se na beira desse poço nesse mês também tem sabor de gratidão. Sim, de gratidão! É que o nosso Thiesco, depois de três anos de doação da vida como secretário nacional da PJ, deixa esse serviço. O caminho para Jerusalém só pode ser trilhado nos passos de Jesus e com esperança, ternura e utopia. E essas três palavras marcam muito a vida de nosso irmão, pois, ele as vive e as viveu nesse tempo de serviço. A ele, em nome da Igreja Jovem do Continente, nosso apertado abraço de gratidão e amizade pela doação de sua vida.




O caminho por Samaria apenas começa. Muito viveremos juntos/as nesse tempo e nesse caminho. Um caminho que faremos na beira do poço. Na beira do poço, sentados com Jesus e com os/as jovens de nosso Continente. A arte, o canto, a poesia..., são dos elementos que mais traduzem nossos sentimentos nas Pastorais da Juventude. A partir desse ano, junto com a gente passa a caminhar ajudando nessa construção o jovem Catarinense de Chapecó e morador de Curitiba/PR: Cladilson Nardino. Com a inspiração dele, cantaremos mantras a cada mês. Mantras inspirados em cada texto nesse caminho. Pra se cantar nos grupos, pessoalmente, nas comunidades... ajudando assim nesse vivenciar e saborear a Samaria. O Mantra sempre será a conclusão dos nossos textos. Bem-vindo nosso irmão!

Com os baldes nas mãos, buscando a água da vida da juventude que nos enche de Deus, iniciamos esse caminho.

Mantra:
“Caminhamos de Belém pra Samaria...
Na beira de um poço cheio de água e vida
Repleto de esperança, ternura e utopia
Buscamos em nossos baldes, justiça e profecia.
Repleto de esperança, ternura e utopia
Buscamos em nossos baldes, justiça e profecia.”

Cladilson Nardino, estudante de Eng. Civil, membro da coordenação arquidiocesana da PJ de Curitiba/PR
Luis Duarte Vieira – Noviço Jesuíta e Militante da Pastoral da Juventude
Maicon André Malacarne – Padre, assessor da Pastoral da Juventude da Diocese de Erexim/RS

Fonte: Cajueiro

quinta-feira, 23 de janeiro de 2014

Pastoral da Juventude realiza Ampliada Nacional em Belo Horizonte

Com muita alegria, cores, perfumes, danças e sabores teve início na manhã dessa segunda-feira, dia 20 de janeiro, a Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude/ANPJ. Os quase 100 delegados vindos de todos os regionais da CNBB presentes no Recanto Marista, em Ribeirão das Neves/MG, se reúnem para avaliar a caminhada da Pastoral da Juventude/PJ, além de realizar deliberações e escolha das diretrizes para a ação pastoral.
“Vivenciar o chão da nossa realidade pra que as juventudes tenham vida” foi o refrão que ecoou no momento de mística pela manhã. Na oração, os delegados foram interpelados a rezarem em sintonia com a juventude de sua realidade, lembrando os nomes de jovens dos seus grupos e comunidades.
O momento foi finalizado com a oração do Credo da Juventude de Dom Pedro Casaldáliga.
A ANPJ que acontece a cada três anos, se reúne desta vez no regional Leste II da CNBB e tem como tema “Somos Igreja Jovem: 40 anos construindo a civilização do amor” e  iluminação bíblica é de Atos dos Apóstolos, “Não podemos deixar de falar das coisas que vimos e ouvimos” (At 4,20).

Representações de juventude participam da abertura da ANPJ
Uma mesa de abertura marcou o início da Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude. Agradecimentos, partilha do caminho realizado e das experiências pessoais foram destaque nas falas de representantes da Igreja, instituições parceiras e membros da PJ que estiveram presente.
Mediado pelo secretário nacional da Pastoral da Juventude, Francisco Crisóstomo (Thiesco), participaram do momento Dom Eduardo Pinheiro, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, Alessandro Melchior, presidente do Conselho Nacional de Juventude, Alessandra Miranda, representante da Cáritas Brasileira, Ir. Ronilton Santos, representante da Província Marista Brasil Centro-Norte, Ir. Maria Couto, representante da Comissão Nacional de Assessores/CNA, Vinicius Ventura, pela Coordenação Nacional da Pastoral da Juventude e César Augusto, representante da equipe de articulação da Pastoral da Juventude da Arquidiocese de Belo Horizonte.
Segundo Dom Eduardo Pinheiro, o momento é oportuno para agradecer, fortalecer, renovar e avançar. “Há muito a agradecer! Não esqueçamos disso! Há pontos que precisam ser retomados e fortalecidos! Não nos cansemos de descobri-los e de reconhecê-los!” – afirmou o bispo.
A contribuição com o Conselho Nacional da Juventude (CONJUVE), com a construção das políticas públicas de juventude e elaboração do estatuto da juventude foram destaques dos agradecimentos feitos pelo presidente do CONJUVE, Alessandro Melchior. “A PJ tem contribuído muito com os processos de políticas de juventude. Muitas pessoas dessa pastoral se dedicaram a essa causa e merecem o nosso agradecimento”, afirmou Melchior.
Ao lembrar do processo de construção da ANPJ, o jovem César Augusto fez memória de sua caminhada na Pastoral da Juventude. Com a ata de reuniões de seu grupo de base, lembrou de pessoas e processos vividos. “Não posso deixar de falar das coisas que vi e ouvi”, concluiu César.
Estiveram presentes, ainda, nesse momento, Pe. Toninho, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude da CNBB; Mayara representante da JUFRA; Jardel pela Rede de Centros e Institutos de Juventude; e Lourival, do Cajueiro – Centro de Formação, assessoria e Pesquisa em Juventude.

“Vamos nos deixar interpelar pelas mudanças” – Análise de conjuntura
A tarde do primeiro dia da Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude foi momento para os delegados analisarem a conjuntura. Com o painel “o contexto da realidade a partir de alguns recortes”, foi realizada uma análise de conjuntura com foco nos aspectos social, político, eclesial e juvenil.
Alessandra Miranda, integrante da Comissão Nacional de Assessores, ajudou os jovens a verem a realidade pelo foco social e político. Destacando um texto do Evangelho de Mateus, ela disse que é preciso estarmos atentos para vermos os sinais dos tempos. “As pessoas, os jovens não são apenas vítimas, mas sujeitos dos processos que vivem”, disse Alessandra. “Vamos nos deixar interpelar pelas mudanças”, completou Miranda lembrando as diversas situações vividas nos últimos tempos na sociedade brasileira.
Sérgio Coutinho, assessor da Comissão Episcopal Pastoral para o Laicato – Setor CEBs, provocou sob o aspecto eclesial. A partir da encíclica do Papa Francisco, Coutinho apontou para duas fragilidades da Igreja na atualidade, ser auto-referencial e ser mundana. Ele concluiu a fala trazendo alguns questionamentos sobre a postura da PJ diante desse cenário.
O aspecto Juvenil foi trazido na fala de Raquel Pulita, assessora da Pastoral da Juventude do DF e Edilson Gondim, Coordenador da Pastoral da Juventude pelo Regional Norte 2. Eles trouxeram dados das realidades dos jovens a partir de diferentes aspectos como formação, trabalho, religião, violência, participação social e projeto de vida.
A tarde terminou com os delegados realizando discussões em grupos a partir de duas questões: o que ecoa da realidade dos jovens e o que essa realidade aponta para a missão da PJ no Brasil.


Serviço
Ampliada Nacional da Pastoral da Juventude: de 19 a 26 de janeiro de 2013 / Ribeirão das Neves – MG
Assessoria de Comunicação: Thiago Silveira – thiagosilveira.pj@gmail.com
Mais informações pelo site: www.pj.org.br
Fonte: Teias da Comunicação

sexta-feira, 17 de janeiro de 2014

Como desenvolver a integração no grupo de jovens? - Coleção Na Trilha do Grupo de Jovens



O tema central deste caderno é a Integração das pessoas no grupo, com a comunidade, com as religiões, com a cultura e com o planeta. Integrar-se como pessoa no mundo para nele atuar, sentir-se participante do grupo e construtora do mesmo.
O lugar místico é Betânia que nos convida a conviver com amigos. Uma pessoa integrada é uma pessoa que ama, aprende a viver em comunidade, sabe tratar o mundo com cuidado porque se sente, também, parte do universo. Exercita o respeito, ama a diversidade e sabe contemplar as belezas e diferenças que temos e somos.








O lugar biblico Betânia está sempre nas metas das viagens de Jesus. Esta cidade ficada a uns três quilômetros de Jerusalém (Jo 11,18). Jesus sempre hospedava em Betânia. Estando em Jerusalém, depois de ensinar no Templo, dirigia-se a Betânia.

Betânia o lugar dos amigos/as, estava na periferia de Jerusalém.  A pessoa do jovem necessita de encontrar a sua Betânia, lugar onde faz suas opções, espaços de convivência com amigos/as para cultivo dos valores.

O livro/caderno foi organizado por Alexandre Piero, Edison Lima, SJ, Liciana Caneschi, Vanessa Aparecida Araújo Correia. Toda a coleção contou com a revisão geral de Carmem Lucia Teixeira e Hilário Dick,SJ.
.O livro/caderno - COMO DESENVOLVER A INTEGRAÇÃO NO GRUPO DE JOVENS?, encontra-se disponível para venda na Livraria Cajueiro. O valor unitário está orçado em R$ 5,00 (cinco reais) e adquirindo acima de 30 UNIDADES, cada unidade sai a R$ 4,50 (quatro reais e cinquenta centavos). 
Os pedidos poderão ser feitos através dos seguintes contatos: 

E-mail: livraria@cajueiro.org.br

Telefone: + 55 (62) 8285-4436 (Tim)
8631-8557 (Oi)
9422-6625 (Claro)
9957-2949 (Vivo)
 
Fonte: Cajueiro

quinta-feira, 16 de janeiro de 2014

Como iniciar um grupo de jovens? - Coleção Na Trilha do Grupo de Jovens



Esse caderno quer contribuir para a construção do grupo.  Sua finalidade é promover um encontro entre os/as jovens que desejam formar um grupo coeso, organizado e disposto a prosseguir a caminhada junto com outros/as jovens. Experimentando o processo de formação integral proposto pela Igreja Latino Americana.

Como todo roteiro, não é uma receita nem elimina a criatividade dos/as jovens que atuam no grupo, ao contrário, quer ser um estímulo para que cada um/a faça as adaptações necessárias para que o encontro aconteça da melhor forma possível, considerando a caminhada da pessoa que ali está, bem como a caminhada do grupo em si. 

A ideia é contribuir na formação da juventude para que ela seja "apóstola de outros/as jovens", iniciando ou resignificando a sua experiência comunitária de encontro com a pessoa e com o projeto libertador de Jesus. Outros/as ajudarão o grupo a seguir os diversos passos de seu caminho, para que os/as jovens sejam sujeitos de uma História Nova, construtores/as de Projetos de Vida.


LINGUAGEM BÍBLICO-PASTORAL

Além da presença bíblica em cada momento do grupo durante todo o tempo de “nucleação”, somos convidados/as a ser iluminados/as para que caminhar em um “lugar bíblico” que sirva como alimento para a mística de todo esse tempo, é importante vivenciar completamente a presença desse lugar vital de cada um/a e na experiência do grupo. Pois, toda a nossa espiritualidade, caracteriza-se por tomarmos Jesus de Nazaré como Caminho, Verdade e Vida.


O “lugar bíblico” que sugerimos para os grupos que “começam” sua trajetória é Belém, com tudo o que este lugar significa. Belém deve ser como um “estribilho” ou, seja o ponto da Trilha da qual nos orientamos, para o qual sempre se volta, aprendendo mais e bebendo mais a profundidade do mistério que Belém encerra. 

O livro - COMO INICIAR UM GRUPO DE JOVENS?, encontra-se disponível para venda na Livraria Cajueiro. O valor unitário está orçado em R$ 5,00 (cinco reais) e adquirindo acima de 30 UNIDADES, cada unidade sai a R$ 4,50 (quatro reais e cinquenta centavos). 

Os pedidos poderão ser feitos através dos seguintes contatos: 

E-mail: livraria@cajueiro.org.br

Telefone: + 55 (62) 8285-4436 (Tim)
8631-8557 (Oi)
9422-6625 (Claro)
9957-2949 (Vivo)
 
Fonte: Cajueiro

quarta-feira, 15 de janeiro de 2014

6ª edição do Ofício Divino da Juventude: com selo comemorativo dos 40 anos da PJ


CAJUEIRO  uma árvore plantada na beira de um riacho por onde corre amizade, projetos de vida, grupos, cuidado com a vida da juventude, forjadores de sujeitos autônomos com mística capaz de alimentar a causa.

O Centro de Juventude Cajueiro possui três eixos estruturantes: Formação, Assessoria e Pesquisa. Inicicou suas atividades em marços de 2013.È uma associação sem fins lucrativos, composta por profissionais de diversas áreas do conhecimento.

O Cajueiro está organizado em quatro equipes de trabalho: formação, comunicação/publicação, pesquisa e sustentabilidade. Possui uma coordenação geral de cinco pessoas eleitas em assembleia.

A impressão e edição do Ofício Divino da Juventude a parte da 6a edição e de responsabilidade  do Centro de Juventude Cajueiro. Em 2014 celebra-se 10 anos de ODJ. Com esta edição foram impressos 80 mil exemplares.


Esta 6a Edição contou com o apoio financeiro dos Irmãos Maristas, Irmãs Adoradoras do Sangue de Cristo e Colégio Preciosíssímo Sangue, Missionários Oblatos de Maria Imaculada, Congregação das Irmãs Azuis.

O livro - OFICIO DIVINO DA JUVENTUDE, encontra-se disponível para venda na Livraria Cajueiro. O valor unitário está orçado em R$ 5,00 (cinco reais) e adquirindo acima de 30 UNIDADES, cada unidade sai a R$ 4,00 (quatro reais). 

Os pedidos poderão ser feitos através dos seguintes contatos: 

E-mail: livraria@cajueiro.org.br

Telefone: + 55 (62) 8285-4436 (Tim)
8631-8557 (Oi)
9422-6625 (Claro)
9957-2949 (Vivo)
 
Fonte: Cajueiro