sexta-feira, 5 de julho de 2013

CNLB se posiciona contra a redução da maioridade penal e apoia manifestações populares

logolaicatobrasilO Conselho Nacional do Laicato do Brasil - CNLB manifestou publicamente por meio de notas contra a redução da maioridade penal e sobre as manifestações populares no país. A presidência do CNLB declarou que “assim como a CNBB, acreditamos que a redução da Maioridade Penal não elimina o contexto de violência e de morte que vivenciamos nos dias de hoje em nossa sociedade brasileira”. Sobre as manifestações, o Conselho do Laicato demonstrou apoio aos “movimentos populares que vêm ocorrendo em todos os recantos do país, excluindo, veementemente, toda e qualquer ação e reação de destruição e violência por parte de manifestantes e do Estado”.
Leia a notas na íntegra:
Moção contra a redução da maioridade penal
A XXXII Assembleia Geral Ordinária do CNLB realizada no Centro Nova Evangelização (CENE) em Cuiabá/MT, dos dias 30 de maio a 02 de junho de 2013 vem através de seus representantes se posicionar Contra a Redução da Maioridade Penal, pois somos leigos/as, cristãos/as, e temos em nossa essência batismal a defesa da vida em todas as circunstâncias. Acreditamos que crianças e adolescentes necessitam de uma ação concreta do Poder Público e da sociedade, para que tenham condições de se desenvolver integralmente como pessoa humana, tendo os direitos sociais efetivados de acordo com as necessidades deste grupo, principalmente nas políticas públicas de educação, saúde e assistência social.
Lembramos também que muitas dessas crianças e adolescentes estão em situação de risco, com alta vulnerabilidade social, desamparados pelas políticas públicas desde o inicio de suas vidas. Como anunciou o jovem Nazareno Jesus Cristo: “Eu vim para que todos tenham vida e a tenham em abundância” (João – 10,10), defendemos a vida digna e o pleno cumprimento dos direitos e deveres de crianças, adolescentes e jovens de nosso país.
“A campanha sistemática de vários meios de comunicação a favor da redução da maioridade penal violenta a imagem dos adolescentes esquecendo-se de que eles são também vítimas da realidade injusta em que vivem” (Brasília, 16/05/13 - CNBB).Assim como a CNBB, acreditamos que a redução da Maioridade Penal não elimina o contexto de violência e de morte que vivenciamos nos dias de hoje em nossa sociedade brasileira. Por isso nos posicionamos Contra a Redução da Maioridade Penal e a Favor da vida plena de nossas crianças, adolescentes e jovens, continuando firmes na luta pela vida.

Nota do CNLB sobre as manifestações populares
O Conselho Nacional do Laicato do Brasil - CNLB vem a público manifestar o reconhecimento e apoio às manifestações populares que vêm ocorrendo em todos os recantos do país, excluindo, veementemente, toda e qualquer ação e reação de destruição e violência por parte de manifestantes e do Estado."A violência e a injustiça são, hoje, o sinal mais evidente do fracasso da nossa sociedade no plano ético." ( CNBB 50, 117 ). Reconhecemos o que tem sido realizado pelas Administrações Públicas em todos os níveis, porém, é incontestável que grandes mudanças têm sido adiadas sem motivo e situações de injustiça e corrupção têm sido mantidas e reproduzidas em detrimento de políticas públicas inadiáveis. "A Democracia é aprendizado e conquista, dá trabalho e sofrimento, mas vale a pena!". A "indignação ética" é própria da cidadania e sinaliza um crescimento de qualidade cívica da juventude e do povo brasileiro em geral.
Que os chamados "Poderes constituídos" não apenas respeitem e reconheçam a legitimidade das manifestações, mas "obedeçam" ao clamor que vem das ruas, da cidade e do campo. Que os Meios de Comunicação Social estejam a serviço do bem comum: "A sociedade tem direito a uma informação fundada sobre a verdade, a liberdade, a justiça e a solidariedade."(Catecismo da Igreja Católica, 2494). Que a segurança seja garantida dentro dos princípios éticos. "A justiça sem a força é impotente; a força sem a justiça é tirânica. É preciso juntar a justiça e a força; para consegui-lo é preciso fazer com que o que é justo seja forte e o que é forte seja justo". (Pascal). Conclamamos a todas e a todos a participarem, com verdadeiro espírito de cidadania, com coragem e disposição, deste momento histórico brasileiro, na perspectiva de uma Pátria livre, soberana, justa e solidária.

Brasília, 26 de junho de 2013.

MARILZA JOSÉ LOPES SCHUINA
PRESIDENTE DO CNLB
Fonte: CNBB

Nenhum comentário:

Postar um comentário