segunda-feira, 20 de agosto de 2012

Missão e profetismo do assessor/a

Mística, profetismo e esperança: estas são palavras que marcam o segundo dia do Encontro Nacional de Assessores da Pastoral da Juventude. Realizado na cidade do Rio de Janeiro, o evento que reúne mais de 100 assessores/as de todos os regionais da CNBB, buscou contribuir com a reflexão sobre a conjuntura do tempo de mudanças e o processo de evangelização de juventude no atual contexto da Igreja do Brasil.
Na primeira parte da manhã, do alto do bairro de Santa Tereza, assessores e assessoras foram convidados a olhar para a própria realidade, procurando entender o seu lugar no acompanhamento dos/as jovens. Em seguida, numa mesa de debate, partilhando seus saberes, o sociólogo e assessor da Pastoral da Juventude, Sandro Hilário, e o pesquisador em juventude e religião, Flávio Sofiati, refletiram sobre a conjuntura deste tempo e olhares sobre as juventudes.
Para Sandro, uma das grandes características deste tempo é que vivemos numa sociedade da informação. “Uma das característica do mundo de hoje é a sociedade do conhecimento e da informação. Transformar a informação em conhecimento é um diferencial” – afirmou o sociólogo. Segundo Flávio Sofiati, é preciso ter cuidado com os olhares que temos sobre as juventudes para não criar estereótipos. Para ele o atual momento nos pede postura firme e convicção no processo e evangelização das juventudes. “A proposta da civilização do amor continua forte e firme no nosso coração. Para sermos referencia nesse projeto temos que ser radical” - concluiu.
Dom Eduardo Pinheiro, presidente da Comissão Episcopal Pastoral para a Juventude, esteve no encontro. Numa passagem rápida falou aos assessores e assessoras sobre o ministério da assessoria sob o ícone do Bom Pastor. Segundo ele o/a assessor/a acredita, experimenta e anuncia a verdade proclamada pelo Bom Pastor. “Convido a vermos neste encontro o mistério e o ministério da assessoria. Mistério por que não nos damos conta de tudo, pela complexidade que se dá nesse processo. O compromisso do acompanhante, de contribuir no processo de formação dos adolescentes e jovens para que o seu processo de discernimento vocacional, enquanto discípulos e missionários seguidores de Jesus Cristo, é muito grande” – afirmou o bispo.
Pela tarde uma nova mesa de partilha de saberes foi realizada. O Pe. Paulo Sérgio, assessor da PJ no regional Leste 1, falou sobre a ação evangelizadora da Igreja. Frei Rubens Nunes, assessor da CRB Nacional, apresentou o caminho vivido pela vida religiosa do Brasil no exercício da escuta e processo de aproximação dos/as jovens. Pe. Joel Nalepa, assessor da PJ no regional Sul 2, conversou sobre a PJ rumo a Jornada Mundial da Juventude. Pe. Luiz Carlos, assessor executivo da Campanha da Fraternidade, ajudou os assessores a compreenderem o caminho realizado para a CF 2013 cujo tema é Juventude. Raquel Pulita, membro da Comissão Nacional de Assessores da PJ 2008/2010, apresentou alguns olhares sobre as juventudes e evangelização. No final da tarde, num bate papo com os/as assessores/as, Pe. Toninho, assessor da comissão episcopal para a juventude, apresentou a estrutura da comissão e os projetos para a evangelização da juventude do Brasil.
O dia foi encerrado com um rico momento de leitura orante da Palavra. A partir do texto de Gn 26, 15-25, a teóloga Mercedes Buldallez, assessora do CEBI, motivou o momento ajudando os/as assessores/as a perceberem o caminho fértil que realizam na processo de acompanhamento de jovens, na persistência, perseverança e alegria do ministério.

Fonte: pj.org.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário