domingo, 4 de janeiro de 2015

Papa prioriza universalidade na escolha de novos cardeais

Cidade do Vaticano – “O critério mais evidente é o da universalidade”, afirmou o Diretor da Sala de Imprensa da Santa Sé e Diretor da Rádio Vaticano, Padre Federico Lombardi, ao contextualizar a divulgação dos nomes dos novos cardeais feita pelo Papa durante o Angelus deste domingo (04/01).
No total, 15 novos cardeais com direito a voto em Conclave serão criados por Francisco no Consistório do próximo dia 14 de fevereiro. Os futuros cardeais são provenientes de 14 países diferentes: 5 da Europa, 3 da Ásia, 3 da América Latina (México incluído), 2 da África e 2 da Oceania. “Vemos a presença de países que nunca tiveram um cardeal (Cabo Verde, Tonga, Myanmar), de pequenas comunidades eclesiais ou em situação de minoria”, afirmou Lombardi.
A estas realidades particulares pertencem o Bispo de Tonga, Dom Soane Patita Paini Mafi, presidente da Conferência Episcopal do Oceano Pacífico, assim como Dom Arlindo Gomes Furtado, bispo de Santiago de Cabo Verde, uma das mais antigas dioceses da África, sem esquecer do Arcebispo de Morelia, Dom Alberto Suárez Inda, região mexicana conturbada pela violência.
Tradição
Neste segundo Consistório do seu Pontificado, observa-se que Francisco volta a olhar para as “periferias existenciais”, não se detendo a meras nomeações. “Nota-se que entre os novos cardeais está somente um da Cúria Romana. Confirma-se também que o Papa não se sente vinculado às tradições das ‘sedes cardinalícias’ – que eram motivadas por razões históricas em diversos países – e que, por isso, o cardinalato era quase que, automaticamente, vinculado a tais sedes”, esclareceu Lombardi.
Fonte: Rádio Vaticano

Nenhum comentário:

Postar um comentário