sábado, 27 de abril de 2013

CNBB quer retomar as Comunidades Eclesiais de Base


A reportagem é de Fabiano Maisonnave e publicada pelo jornal Folha de S. Paulo.
Preocupada com a renovação das paróquias, a assembleia dos bispos, que terminou na última sexta, incluiu as Comunidades Eclesiais de Base (CEBs) entre as iniciativas para recuperar a presença da Igreja Católica nas áreas mais pobres, onde perde fiéis para evangélicos. "É um jeito de fazer com que os leigos lá na base comecem novamente a se articular", disse d.Severino Clasen, presidente para comissão para o laicato da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), ao defender uma CEB menos ideológica.
Surgidas após o Concílio Vaticano II (1962-65), as CEBs foram impulsionadas pelo Documento de Medellín (1968) e pela Teologia da Libertação. Ligadas ao PT e movimentos sociais, seu auge foi nos anos 1980, em regiões pobres, com uma crítica que unia princípios cristãos a uma ótica de esquerda.
Em meio à oposição dos papas João Paulo II e Bento XVI, que nomearam bispos contrários à aproximação com a esquerda, perderam força.
Para o padre Benedito Ferraro, assessor da Ampliada Nacional das CEBs, a volta da discussão é um reconhecimento de parte dos bispos de que a retração abriu espaço para as evangélicas, como a Assembleia de Deus.
Hoje, diz, as CEBs são minoria entre os grupos eclesiais na periferia. Ferraro diz que não há números precisos sobre as CEBs, mas que elas estão presentes em todo o país.
O início da retomada das CEBs foi em 2007, na Conferência do Episcopado Latino-Americano, onde foi aprovado um documento cujo relator foi o bispo argentino Jorge Mario Bergoglio, hoje papa Francisco, com trechos bastante favoráveis às CEBs.
Os elogios, porém, foram diluídos quando o Documento de Aparecida passou por uma revisão da Cúria Romana do então papa Bento XVI.
"O modo como aconteceu repercutiu negativamente", disse o bispo italiano dom Adriano Vasino. "Isso é um dos problemas que a Igreja está tentando resolver, ter maior transparência em tudo."
Vasino diz que o tema continua a dividir a CNBB entre "bispos que acreditam claramente nesse modelo" e "outros que, por experiências negativas, resquícios, consideram as comunidades ligadas só ao social ou a ideias descritas como comunistas".
Defensores das CEBs esperam mais apoio do papa Francisco. Tanto por ter participado do Documento de Aparecida quanto pela defesa de uma "igreja para os pobres" - embora sem viés esquerdista.
A retomada, porém, não deverá ter a mesma força de antes, avalia o ex-arcebispo do ABC, cardeal d. Cláudio Hummes. "[As CEBs] talvez representem uma época, da ditadura militar, e foi aí que o povo conseguiu ter voz", disse. "Em 30 anos, se faz um longo caminho. Então eu não posso simplesmente repetir o discurso de 1980 nem a prática de 1980 ao pé da letra.",
Notícia retirada do site do CEBI

Nenhum comentário:

Postar um comentário