segunda-feira, 18 de novembro de 2013

Rede Cáritas no apoio imediato às vítimas do supertufão Haiyan

filipinas-caritas
Relato enviado por Ryan Worms, da Cáritas Canadá, diretamente de Cebu, nas Filipinas
“A desolação está por toda a parte e as vítimas necessitam de ajuda em todos os âmbitos”, disse o padre Edwin Garigues, diretor da Cáritas Filipinas, voltando de Cebu depois de ter visitado a população atingida na ilha de Leyte, a mais afetada pelo supertufão ‘Haiyan’. “A Cáritas deve aumentar a distribuição de alimentos e de materiais para abrigos temporários. A mobilização da Igreja, a solidariedade das dioceses e as Cáritas de todo o mundo nos permite confiar em nossa capacidade para enfrentar os desafios dessa grande emergência.”
Ontem, domingo, dia 17 de novembro, em Ormoc temos visto as destruições causadas pelo tufão. A maior parte das casas estão completamente destruídas e a população tenta recuperar alguns materiais de suas casas para construir abrigos temporários.
Demetria Omega (foto), 75 anos, é uma das vítimas da tempestade em Ormoc. Ao lado de prateleiras com poucas frutas e verduras, rodeada pelos seus netos, ela conta o seu trauma: “quando o tufão chegou pensei que eu fosse morrer. Todas as casas estavam voando e eu, meu filho e meus netos tentávamos com toda a força do mundo nos proteger. Precisamos de comida, primeiro de comida, e também de algum lugar para nos abrigar.” Demetria, como o restante dos filipinos, está fazendo o possível para enfrentar as dificuldades. “Não podemos nos queixar sem atuar. Consegui um pequeno empréstimo de 25 dólares para montar esse ponto de venda com frutas e verduras. Assim, espero apoiar minha família e enfrentar essa tragédia. É importante se manter ativa e fazer o possível para os meus netos.”
Se os danos são imensuráveis em Ormoc, eles são ainda maiores em Tacloban, especialmente na comunidade de Palo.
“Quando olho pela janela de minha casa afetada, vejo um vale de mortos”, disse dom John Du, arcebispo de Palo, um dos povos mais atingidos por Haiyan na província de Leyte. “Em Palo, 95% dos edificios desapareceram. Estamos enterrando os corpos ao redor das paróquias. Necesitamos de tudo. A ajuda às vítimas está sendo organizada, já estamos distribuindo alimentos e materiais para os abrigos temporários.”
Hoje, segunda-feira, dia 18 de novembro, uma primeira entrega de materiais está sendo organizada em Palo pela CRS (Catholic Relief Service).
Dez dias depois da passagem do tufão mais forte da história, a Cáritas tem informações mais precisas dos danos e das necesidades das vítimas. A ajuda internacional está enfrentando dificuldades  logísticos para fazer chegar os alimentos e outros bens às pessoas que perderam tudo.
Povos afetados nas províncias de Leyte, Samar, Panay y Mindoro tem tido pouco ou nenhum apoio.
É neste contexto que a Igreja Católica e a Rede Cáritas se revelam fundamentais no socorro imediato as vítimas.
Hoje, em Cebu, está sendo organizada uma reunião de coordenação das Cáritas presentes nas Filipnas com os bispos e representantes das dioceses afetadas com o objetivo de compartilhar as informações recolhidas nas diferentes províncias e continuar o trabalho de desposta da rede e da Igreja.
“As orações, a solidariedade e a mobilização de nossos irmão e irmãs no mundo nos permitirá seguir adiante.” 
Fonte: Cáritas Brasileira

Nenhum comentário:

Postar um comentário