sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

Nos caminhos de Samaria – o coração agradecido!


 “Em tudo dai graças”.
[1Ts 5,18]

“Um coração que não cabe num só peito”.
[Mario Quintana]

Caminhamos rumo à Jerusalém. Caminhamos porque nos colocamos no amor e no serviço a juventude. A causa do Reino do Pai não nos deixa ficar parados. Nesse ano, caminhamos em Samaria, na Samaria de Jesus e nas “Samarias” da juventude. No caminho nos deparamos com um poço. E neste poço estamos. Há momentos em que é preciso beber água e água da vida. No poço nos encontramos com Jesus e com a juventude. Estamos sedentos.
Nesse mês, somos inundados de gratidão. Na memória do texto de Lucas (17, 11-19) com o samaritano leproso que é curado e volta para agradecer a Jesus, nós, Igreja Jovem do Continente, nos colocamos em atitude de agradecimento. E no caminho à Jerusalém vamos com o coração agradecido. O texto que aponta a compaixão de Jesus pelos 10 leprosos nos provoca também a recuperar gestos de gratidão. Num tempo de consumo, há um imaginário que “nada se faz de graça”. Não há espaço para o gratuito. Com isso, a atitude de agradecer parece estar fora de moda. Se não tomarmos cuidado a fé também pode tornar-se um negócio. A Teologia da Retribuição foi condenada por Jesus. A ideia de que eu ofereço algo para Deus e quero em troca um milagre é uma forma de mercantilizar a fé, tornando-a pura retribuição.
Reconhecer o amor de Deus já é infinitamente suficiente para sermos agradecidos. Apenas um dos curados, segundo o relato de Lucas, voltou para agradecer. Ao que Jesus o respondeu: “a tua fé te salvou”. O coração agradecido e a salvação estão intimamente ligados. Uma mudança de olhar é necessária para recuperarmos essa atitude em todos nós.
Ser agradecido é também saber reconhecer as belezas da humanidade. É preciso sensibilidade. Quantos pôr-do-sol! Quantos nascer do sol! Quantas pessoas! Quantos corpos em movimento! Quanta música! Quanto esporte! Quanta juventude! Quanto amor! Quantas amizades! Quantos encontros! Quantos, quantos...
Diante disso, o que agradecer do caminho percorrido no seguimento a Jesus e no serviço a juventude? Os jovens tecendo vida em grupo? Os jovens construindo seu protagonismo? Os assessores gastando a vida no acompanhamento?  Os projetos de vida sonhados, rezados, vividos, partilhados? Os encontros? As assembleias? As ampliadas? As marchas? As romarias? O cotidiano dos grupos? As Eucaristias? Os abraços? As vidas que se cruzaram? As amizades? Os sonhos? Os olhares? As dores? Os medos? As pedras? Os desafios? Os amores? As causas? A memória? As opções assumidas e encarnadas ao longo do caminho? O Divino na juventude? As orações? Os materiais produzidos? As construções coletivas? O que mais agradecer? É preciso recuperar o agradecimento. É uma questão de felicidade. De salvação!
Oxalá, o caminho para Jerusalém seja sempre percorrido com um coração muito agradecido por tanto bem e tanta vida que o Senhor, a quem seguimos, nos concede no serviço a juventude.

Com baldes cheios de gratidão caminhamos por Samaria, rumo a Jerusalém.

Mantra:
“No caminho percorrido agradecemos,
Reconhecendo as belezas dessa vida.
‘Foi a tua fé que te salvou!’
Com gratidão, bebemos de água da vida...”

Cladilson Nardino, estudante de Eng. Civil, membro da coordenação arquidiocesana da PJ de Curitiba/PR
Luis Duarte Vieira – Noviço Jesuíta e Militante da Pastoral da Juventude
Maicon André Malacarne – Padre, assessor da Pastoral da Juventude da Diocese de Erexim/RS

Fonte: Cajueiro


Nenhum comentário:

Postar um comentário