quarta-feira, 8 de fevereiro de 2012

Teias da Comunicação

“Então Jesus disse-lhes: Vão pelo mundo inteiro e anunciem a
Boa Notícia para toda a humanidade.”
(Mc 16, 15)
Por que pensar em comunicação?
“O jovem, como apóstolo de outros jovens, tem um poder de comunicação e de convencimento peculiar.”
(Doc. 85 da CNBB, n. 176)
A Pastoral da Juventude já atua na ação evangelizadora da juventude há mais de três décadas, sendo precursora de muitas ações pastorais desde o grupo de base, até grandes eventos nacionais, como encontros, assembleias e dias comemorativos, entre elas, o Dia Nacional da Juventude.
A tarefa de organizar, articular, acompanhar, formar e comunicar sempre foi, e ainda é, um grande desafio, tendo em vista as mudanças ante a pluralidade cultural existente no Brasil. A diversidade de cultura é, com certeza, um dos principais desafios, mas ao mesmo tempo enriquece o trabalho, trazendo experiências novas, diferentes, nunca vistas, e que pelo encanto da novidade, cativa, revigora, transforma e proporciona à juventude outro olhar da realidade.
As reflexões sobre a pós-modernidade, no olhar social e eclesial nos motivam e estimulam organizar novas ações ou aperfeiçoar as que já existem, adequando-as com a realidade presente nos lugares onde atuamos. Para a comunicação não é diferente. É essencial que tenhamos uma comunicação pensada de forma integral e, ao mesmo tempo, atual, estando aberta para possíveis e necessárias mudanças.
Com o intuito de aperfeiçoar a sua comunicação a Pastoral da Juventude criou o projeto “Teias da Comunicação”.
Sendo o Brasil um país de dimensões continentais, com peculiaridades únicas, percebemos que faltam ligações orgânicas entre as diversas experiências, instâncias e grupos da Pastoral da Juventude.
Analisando a realidade da ação da Pastoral da Juventude, podemos citar alguns elementos solicitados pelo episcopado brasileiro no Documento 85 para serem desenvolvidos pela área de comunicação. São eles: a necessidade de levar em conta a realidade social dos jovens, orientar a opção vocacional dos jovens, oferecer elementos para se converterem em fatores de transformação e proporcionar canais eficazes de participação ativa na Igreja e na sociedade para os jovens. Esses elementos, portanto, são considerados na elaboração da proposta da criação de uma Teia de Comunicação, isto é, de uma rede capaz de interagir com a juventude brasileira, adequada para abranger o ato de comunicar a ação da Pastoral da Juventude.
Entretanto, para acontecer a inserção na Igreja, é necessário:
  • um verdadeiro processo de educação na fé, cujo fundamento deve ser Jesus Cristo;
  • a formação dos jovens para a ação sociopolítica e para as mudanças de estruturas, formando neles o senso crítico por meio de uma pedagogia que tenha presente as diferenças psicológicas;
  • o estímulo da capacidade criadora dos jovens, facilitando-lhes os meios em que ponham em prática o seu compromisso.

Fonte: pj.org.br ou Subsídio de Estudo Somos Igreja Jovem (ver com a Coordenação Arquidiocesana)

Nenhum comentário:

Postar um comentário