sábado, 15 de setembro de 2012

Jovens podem decidir eleições com voto consciente


Em menos de um mês, eleitores de 5.568 municípios brasileiros vão escolher os futuros prefeitos entre os mais de 15.550 candidatos considerados aptos pela Justiça Eleitoral. E o voto jovem tem a possibilidade de decidir quem sairá vencedor.
Ao total, o Brasil tem 140,6 milhões de eleitores, de acordo com o Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Desse total, 41,3% têm entre 16 e 34 anos, ou seja, 58,2 milhões. Só entre os adolescentes de 16 e 17 anos, com voto facultativo, há 2,9 milhões de eleitores. Considerados apenas os jovens entre 16 e 24 anos, há 24,8 milhões de votos que podem fazer a diferença.
Mas, em quem votar? Quais critérios usar para escolher um bom candidato? Quais são as principais demandas da cidade? Quais os planos de governo? E os 450 mil candidatos às 58 mil vagas de vereador, o que pensam e sugerem para melhorar as cidades?
Voto ConscientePensando nisso, a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) lançou a campanha “Voto Consciente – Eleições 2012”. De acordo com o secretário-geral e bispo auxiliar de Brasília, dom Leonardo Steiner, a atitude é uma contribuição com orientações aos fieis e a todos os cidadãos, firmadas na ética e na cidadania à luz do Evangelho. "A campanha quer contribuir para a recuperação da política como a construção do bem comum, recolocando-a no patamar do qual jamais deveria ter saído", disse.

A campanha tem uma série de nove vídeos (links ao final da matéria) com temas para refletir sobre a importância do voto.

Confira abaixo cinco modos de dar um voto consciente e ajudar a construir cidadania.
1. Agir coletivamenteO tempo das eleições pode nos ajudar na reflexão e cons¬trução de novas práticas frente à democracia, valorizando o agir coletivo, que tem sua base na comunidade. É nas comunidades ou nos organismos da sociedade civil, que o povo se constitui como sujeito do processo político. Buscar a construção dessa consciência coletiva é fundamental para a conquista do bem comum, meta de toda ação política verdadeira.

2. Formar para a participaçãoDesencanto e descrédito têm marcado a política em nosso país. Causas para isso não faltam. O que fazer, então? Cruzar os braços? Ignorar? Não! O remédio é a participação de todos, especialmente dos jovens. O novo que queremos só virá com a nossa participação individual e coletiva. Há experiências positivas em várias cidades que mostram a força da comunidade quando o povo se organiza e participa.

3. Conscientizar para o voto cidadão
O voto tem relação com o bem comum e gera profundas consequências para a vida das pessoas em qualquer cidade e no campo. Se você ainda não está convencido disso, leia mais sobre o verdadeiro sentido da política. Além disso, troque ideias com outras pessoas; participe de debates, palestras, seminários.

Para as eleições deste ano, procure entender as funções que estão em jogo: prefeito, vice-prefeito, vereador. Assim você perceberá melhor se as práticas dos agentes políticos são coerentes ou não com suas funções.

Contra os candidatos corruptos, use a Lei da Ficha limpa, criada em 2010. Ela torna inelegíveis candidatos com passado sujo, com improbidades, crimes etc. O momento das eleições é muito importante para conhecer a ficha dos candidatos. Ficha suja não merece crédito e nem voto! Use também a Lei 9.840, em vigor desde 1999. Ela combate a compra de votos e o uso da máquina administrativa pelos candidatos.

4. Construir estruturas de participação permanenteO momento eleitoral é excelente oportunidade para se constituírem instrumentos de participação democrática no Município, que vão além da Democracia Representativa. Por isso, precisamos participar nos Conselhos garantidos pela Constituição Cidadã: educação, saúde, assistência social, idoso, mulher, criança e adolescente etc.. Exija o Orçamento Participativo no seu município e elimine a política de favores e o clientelismo; acompanhe os poderes constituídos formando grupos que participem das reuniões da Câmara; faça a mesma coisa com o Executivo.

5. Agir localmente, pensando globalmente
As eleições municipais nos ajudam a agir localmente, mas pensando globalmente. Por isso, tenha sempre presentes as grandes questões nacionais como: a revisão do modelo econômico e da forma de consumo; a busca de uma nova forma de encarar o trabalho, entendido como direito humano fundamental; a defesa da vida em todas as suas formas e dimensões; o acesso à terra e ao solo urbano por meio da Reforma Agrária; a democratização dos meios de comunicação; a Reforma Politica; a ecologia.

Nenhum comentário:

Postar um comentário