domingo, 7 de setembro de 2014

20ª edição do Grito dos Excluídos: luta por liberdade e direitos

Divulgação
“Ocupar ruas e praças por liberdade e direitos” é o lema da 20ª edição do Grito dos Excluídos, que acontece em todo o Brasil, no neste domingo, 7 de setembro, dia em que se celebra a Independência do Brasil. O conjunto de manifestações populares, que há duas décadas trata da temática “Vida em primeiro lugar”, prioriza neste ano a linguagem criativa e simbólica em suas ações, como música, teatro, poesia, redações, exposições e feiras. A Comissão Episcopal Pastoral para o Serviço da Caridade, da Justiça e da Paz da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) participa das mobilizações por meio das Pastorais Sociais, com apoio da Cáritas Brasileira e da Pastoral da Juventude.
A edição de 2014 organiza o máximo de ações na defesa da vida humana, na luta pelo acesso e qualidade dos serviços públicos básicos e na construção de espaços e ações de denúncia de injustiças. Os grupos também marcham contra as privatizações de bens naturais e serviços e denunciam a criminalização dos movimentos e lutas populares.
Vários eixos foram articulados para trabalhar questões como participação popular, comunicação, impactos de megaprojetos e megaeventos, extermínio da juventude negra, meio ambiente e os povos indígenas e tradicionais.
“O grito tem uma função como se fosse um pequeno grande professor que contribui para levar informação e formação ao povo brasileiro, que é daquilo que o povo precisa para se manifestar”, afirma o coordenador nacional do evento, Ari Alberti.
Desde 1995, quando aconteceu a primeira edição do evento, houve grande repercussão internacional e reconhecimento na Assembleia Geral da CNBB, ocasião em que os bispos refletiram sobre o tema e o abordaram no Documento 56, “Projeto Rumo ao Novo Milênio”.
Outro fato é o contraste da manifestação civil com o desfile militar. “A Semana da Pátria deixou de ser uma semana de plateia, que assiste a desfiles, para ser uma semana de mobilização, de atividades, de lutas e de botar nas ruas suas necessidades e seus direitos que não estão sendo respeitados”, aponta Alberti.
Saiba mais sobre a organização e locais onde acontecem as ações do Grito dos Excluídos no sitewww.gritodosexcluidos.org.
Em nossa Arquidiocese
Em Feira de Santana o Grito foi articulado pela Cáritas Arquidiocesana, Pastorais e Movimentos Sociais. O Grito foi realizado pela manhã, logo após os desfiles "cívicos". A pauta reclamou por saúde, educação e transporte público de qualidade, e contra o extermínio da juventude negra. Outro fato marcante foi a mobilização do Plebiscito Popular dentro do próprio Grito dos Excluídos.Tivemos urnas votantes, e os mesário puderam mostrar à população presente a necessidade da reforma política no Brasil. 
Fonte: CNBB

Nenhum comentário:

Postar um comentário