domingo, 3 de março de 2013

Quais podridões da realidade juvenil que não temos coragem de cheirar?


“Senhor, já está cheirando mal”.
João 11, 39

A caminho de Jerusalém, na causa do Reino e no compromisso com a vida da juventude, estamos com Jesus e com os/as jovens em Betânia. Betânia nos acolhe, nos envia e nos provoca.
Em tempos de conversão, tempo de quaresma, somos muito provocados/as por Betânia e por aquilo que Jesus ali viveu. A Igreja do Brasil vive intensamente o tempo da Campanha da Fraternidade que assume a juventude como temática e quer refletir sobre Fraternidade e Juventude. Nesse sentido, desde a casa de Betânia, temos a certeza que a Campanha é algo que deve nos converter a todos, e também a Igreja. É tempo de olharmos para a realidade juvenil com mais profundidade, com mais sensibilidade, para além de querermos “mais jovens na missa”. José Lisboa Moreira de Oliveira, em artigo recente para a Revista IHU (Instituto Humanitas Unisinos) mexe numa ferida podre que é de todos nós: “querem apenas jovens drogados espirituais que estejam tão ocupados com as ‘coisas de Deus’, a ponto de não enxergarem a realidade. Jovens que não leiam os sinais dos tempos. Querem jovens que não saibam perceber a vontade e a ação de Deus no meio das contradições da história humana. Neste momento em que se percebe na Igreja Católica um vazio de autoridade, no senso evangélico da expressão (Mc 1,22), e a presença de um autoritarismo anti-evangélico terrificante e desumano (1Pd 5,3), é hora de realizarmos uma Campanha da Fraternidade mais séria.”
Sabendo da morte de Lázaro, Jesus se coloca a caminho. Comove-se. Chora. Jesus age para que a vida seja respeitada e garantida. No caminho, Jesus se depara com uma situação delicada. Já se vão quatro dias desde a morte de seu amigo. E como tal, o corpo já está em decomposição e cheira mal. Quando Jesus pede para que abram o túmulo ele é avisado: “Senhor, já está cheirando mal.” Mesmo sabendo disso, Jesus insiste para que a pedra seja retirada. A podridão e o mau cheiro não impediram Jesus. Nada impediu ação de Jesus para a restauração da vida.
Em tempos em que estamos a caminho de Jerusalém com Jesus e com os/as jovens. Em tempo de quaresma que deseja provocar sempre mais nossa conversão para seguirmos cada vez mais fiéis a Jesus e a seu projeto do Reino. Em tempos de Campanha da Fraternidade sobre juventude. Em tempos que nos aproximamos da Jornada mundial da Juventude que será celebrada no Brasil. Em tempos de revitalização da PJ. A atitude de Jesus, em Betânia, nos convoca a refletirmos sobre as podridões do mundo juvenil que não podemos deixar de cheirar.
Quais as realidades juvenis de nossa América Latina estão podres? Quais realidades estão cheirando mal? Quais podridões e realidades que ainda não nos dispusemos a ver? Quais realidades juvenis sabemos, mas preferimos fazer de conta que não sabemos? De quais realidades e lugares juvenis temos fugido? Ou ainda poderíamos mudar o movimento da pergunta: Que podridões, em todos os sentidos, são oferecidas a juventude? Violência. Morte. Drogas. Prostituição. Acidentes. Racismo. Desemprego. Banalização do corpo. Consumismo. Hedonismo. Isso tudo cheira mal e há quem queira desviar o olhar, o corpo, o nariz.
Atitude de Jesus diante da morte de seu amigo nos desafia a enfrentar todas as podridões do mundo juvenil em nossa América Latina para assim garantimos que a vida tenha a palavra final. Como seguidores/as de Jesus e como Igreja Jovem em nosso Continente se desejamos ser fieis ao Reino e à causa da juventude devemos encarar o mau cheiro e as diversas realidades marcadas pela podridão.
Oxalá sejamos profetas/profetizas e não tenhamos medo de encarar o podre presentes no mundo juvenil. Oxalá sigamos a atitude de Jesus. Oxalá marchemos sempre para que a vida tenham a palavra final. É isso que Betânia nos convoca neste tempo de quaresma e de Campanha da Fraternidade. Nós respondemos: “Eis-me aqui, envia-me as podridões, a todos os espaços em que a vida da juventude está em risco”.

Pe Maicon André Malacarne – Assessor da Pastoral da Juventude – Diocese de Erexim-RS

Nenhum comentário:

Postar um comentário